Kahn abandona a festa do Real Madrid

Um dia depois de receber da Fifa, pela terceira vez, o prêmio de melhor jogador do ano, o brasileiro Ronaldo se tornou assunto obrigatório entre técnicos e jogadores da Europa. Entre elogios de Luiz Felipe Scolari, Trezeguet e Héctor Cúper, um enciumado Oliver Kahn, goleiro do Bayern de Munique e da seleção alemã, não gostou de ter ficado esperando a estrela da festa na premiação de terça-feira e acabou desistindo de jogar nesta quarta pela seleção do mundo, contra o Real Madrid.Kahn já havia sido anunciado como goleiro titular da seleção do mundo, mas mal esperou acabar a festa de premiação da Fifa (em que recebeu o prêmio de segundo melhor jogador do ano - Zidane foi o terceiro) e foi embora de Madri, onde foi realizada a festa.Segundo as agências internacionais, o goleiro alemão, eleito melhor jogador da Copa do Mundo de 2002, ficou aborrecido porque teve de esperar Ronaldo e Zidane, que se atrasaram por cerca de uma hora para a cerimônia. O constrangimento com a chegada dos dois jogadores foi tão grande que o brasileiro teria dito, ironicamente, que da próxima vez, iria de helicóptero para a premiação. A brincadeira não acalmou o goleiro, cada vez mais irritado com a situação.Além de Kahn, a seleção do mundo, dirigida por Felipão, não pôde contar com o italiano Alessandro del Piero, que se sentiu indisposto momentos antes do jogo. Pelo lado do Real Madrid, Roberto Carlos e Hierro, contundidos, ficaram de fora da partida que comemorou o centenário do clube espanhol.Nem mesmo o jogo desta quarta-feira foi capaz de ofuscar o brilho do atacante Ronaldo, destaque dos principais jornais europeus. Em entrevista ao L?Equipe, da França, o atacante Trezeguet, da Juventus, revelou que se inspirou no brasileiro para se recuperar da lesão no joelho que o obrigou a perder todo o início da temporada. "Meu exemplo era Ronaldo. Pensei nele, em seu tendão afetado, em suas duas operações. Apesar de tudo, ele voltou."Além de Trezeguet, dois técnicos rasgaram elogios ao jogador logo após a entrega do troféu da Fifa. Felipão, atual treinador de Portugal, é fã incondicional de Ronaldo e já era previsível que tivesse essa atitude, até porque fez de tudo para que o atacante participasse do Mundial deste ano pela seleção brasileira. O outro, porém, surpreendeu. O técnico do Inter de Milão, Héctor Cúper, considerado o principal responsável pela saída do brasileiro do time italiano, elogiou o jogador. "É um prêmio de grande prestígio e do qual Ronaldo seguramente se sentirá orgulhoso. Dou-lhe as minhas felicitações", disse.Milan - Luiz Felipe Scolari não tem dúvida alguma de que Ronaldo é o melhor jogador do planeta, mas, para o treinador, a tão badalada equipe do brasileiro está longe de ser o ?dream team?. Para Felipão, o Milan atualmente é melhor que o Real Madrid.Em entrevista à Gazzetta dello Sport, Felipão afirmou que os jogadores do time italiano "jogam um futebol extraordinário", com um estilo de jogo muito parecido com o sul-americano. "Domínio de bola, toques rápidos e são sempre donos da ação", elogiou. "Têm um pouco do Brasil do Falcão, Sócrates, Toninho Cerezo, Júnior e Zico", disse ele, e foi ainda mais longe ao afirmar que o Milan lembra em alguns momentos a seleção brasileira que conquistou o tricampeonato mundial em 1970, que tinha Pelé, Rivellino, Tostão, Gerson...O técnico brasileiro afirmou que o meia Rivaldo é o grande destaque do Milan e espera que o jogador continue fazendo no time italiano as "maravilhas" que o mundo se acostumou a vê-lo fazer na seleção brasileira e em todos os clubes por onde passou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.