Kaká abriu mão de US$ 1,2 milhão

Parece incrível, mas Kaká abriu mão de cerca de US$ 1,2 milhão - R$ 3,5 milhões - para transferir-se para o Milan. É, pelo menos, o que garantem as partes envolvidas no negócio. O meia teria direito a 15% do total da transação, por cláusula contratual com o São Paulo, mas foi obrigado a ceder, por causa de exigência do clube brasileiro."Ele argumentou que gostaria de ficar com os 15%, só que o São Paulo só aceitaria fechar o negócio por pelo menos US$ 8,5 milhões líquidos e o Milan não pôde pagar mais. Então, para viabilizar a transferência, ele abriu mão de sua parte", explicou o presidente do clube paulista, Marcelo Portugal Gouvêa.De acordo com seu empresário, Wagner Ribeiro, o sonho de jogar no Milan falou mais alto. Era uma oportunidade que Kaká queria agarrar. E seu salário na Europa será bem superior aos R$ 80 mil mensais do São Paulo. Ele acertou contrato de 5 anos, receberá US$ 1,4 milhão na 1ª temporada, além de bônus por metas e aumento nos anos seguintes.O acordo foi firmado nesta sexta-feira, às 12h30, no escritório de Marcelo Portugal Gouvêa. Kaká chegou ao local acompanhado do pai, Bosco Leite. Às 23h45, embarca no vôo 8734 da Varig, ao lado do pai e de Wagner Ribeiro. Deverá chegar à Itália à tarde e à noite, jantará com dirigentes italianos. No domingo, verá a partida entre Milan e Juventus, pelo Troféu Berlusconi, no camarote de Silvio Berlusconi. E, na segunda, fará exames médicos e será apresentado à imprensa. Após 2 anos e meio no profissional do São Paulo, 131 jogos e 48 gols, Kaká ganhou rótulo de ídolo, mas deixa o clube sem uma partida de despedida, como a diretoria queria que ocorresse em Ribeirão Preto. E sem um título importante - ganhou só o Rio-São Paulo em 2001.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.