Kaká: concorrência na Sub-23 é grande

O capitão Kaká sabe que o Pré-Olímpico do Chile será muito difícil, mas acredita que a Seleção Sub-23 tem talento suficiente para ir longe. Com a autoridade de ser o único jogador da equipe que esteve no Mundial de 2002 e de ter sido eleito o melhor jogador do Brasil no ano passado, o meia acha que o técnico Ricardo Gomes tem opções de sobra para montar um grupo muito forte para brigar pelas duas vagas olímpicas que estarão em jogo em janeiro. "A concorrência nesta faixa etária é muito grande, porque o pessoal da Sub-20 também pode ser chamado. Para se ter uma idéia, basta lembrar que, dos 18 jogadores que o Ricardo trouxe para a Copa Ouro, apenas quatro estiveram no Torneio do Catar em janeiro. Isso mostra que tem jogador de sobra e que ninguém pode se acomodar achando que tem vaga garantida, o que é muito bom para a comissão técnica." Kaká é um dos quatro que foram ao Catar - os outros são Maicon, Luisão e Júlio Baptista. Ele considera o grupo que veio para o México e Estados Unidos de muita qualidade. "Todo mundo que foi convocado está disposto a mostrar serviço para mandar um recado para a comissão técnica, do tipo ´olha, fizemos a nossa parte, agora está nas mãos de vocês levar a gente para o Pré-Olímpico´. Além de mostrar qualidade no campo, o pessoal se relacionou muito bem, o ambiente é muito legal. Isso também conta." Kaká acredita que a delicada situação financeira da maioria dos clubes brasileiros está ajudando a impulsionar o surgimento de bons jogadores. Como não têm dinheiro sobrando para investir muito em reforços, os clubes acabam dando espaço para os garotos formados nas categorias de base. "Em janeiro, por exemplo, quando fomos para o Catar, quem falava no Nadson, no Carlos Alberto ou no Nilmar? E agora eles estão aqui, mostrando muito futebol. A renovação sempre foi constante no futebol brasileiro, mas ultimamente está mais acelerada. É por isso que eu digo que a concorrência é muito grande. Daqui a dois meses pode aparecer alguém arrebentando e ganhar uma vaga no Pré-Olímpico." Como todos os jogadores que vieram para a Copa Ouro, Kaká não vê nenhum problema em abrir mão das férias para disputar o Pré-Olímpico, que deve começar dia 8 ou 10 de janeiro. A última rodada do Campeonato Brasileiro está marcada para o dia 14 de dezembro e a intenção de Ricardo Gomes é reunir os convocados na Granja Comary, em Teresópolis, já a partir do dia 17 - com exceção dos que estiverem atuando na Europa, que provavelmente só se apresentarão depois do Natal. Os que forem de clubes brasileiros serão liberados para passar o Natal em casa, voltarão aos treinos, serão dispensados para o Ano Novo e depois viajarão para o Chile. Para dar continuidade ao trabalho que vem sendo feito na Copa Ouro, o treinador vai insistir para a CBF marcar alguns amistosos até dezembro. Para não atrapalhar os clubes, Ricardo Gomes vai sugerir que os jogos coincidam com as rodadas das Eliminatórias Sul-Americanas marcadas para setembro (duas datas) e novembro (outras duas). Ele sabe que não terá os jogadores que Carlos Alberto Parreira chamará para as Eliminatórias e dificilmente poderá contar com os que estiverem na Europa, mas mesmo assim acha que valerá a pena jogar. "Quanto mais chances eu tiver para observar os jogadores, melhor. Se for difícil encontrar seleções para nos enfrentar, topo jogar contra times brasileiros. O importante é colocar a equipe para jogar e poder tirar algumas conclusões que me ajudarão a formar o grupo para o Pré-Olímpico."

Agencia Estado,

23 de julho de 2003 | 15h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.