Denise Andrade/Estadão
Denise Andrade/Estadão

Kaká desembarca na Itália e deve assumir cargo administrativo no Milan

Ex-jogador diz que ainda não sabe exatamente qual será sua função

Estadão Conteúdo

29 Agosto 2018 | 19h34

O brasileiro Kaká desembarcou nesta quarta-feira em Milão para possivelmente assumir um cargo administrativo no Milan. O ex-jogador conversou com jornalistas italianos no aeroporto e disse ainda não saber qual seria exatamente sua função.

"Eu e o Leonardo nos falamos muitas vezes, somos amigos, mas ainda não comentamos sobre qual poderá ser o papel que eu vou ter no Milan", afirmou. Há pouco mais de um mês o brasileiro Leonardo foi oficializado como diretor de futebol do clube.

Na semana seguinte, chegou outro ex-jogador, Paolo Maldini, para exercer a função de diretor de desenvolvimento e estratégia esportiva. A iniciativa de colocar grandes ídolos dos gramados na administração do clube é do novo diretor executivo, Paolo Scaroni, que assumiu a função em julho.

"Para mim vir a Milão é sempre ótimo. Estou muito feliz, vi o jogo contra o Napoli (derrota por 3 a 2 pelo Campeonato Italiano) e espero que o clube faça uma grande temporada. Minha prioridade são os meus filhos, que vivem no Brasil. Quero estar com eles. Mas com Leo e Paolo no clube eu me aproximo ainda mais do Milan. Quero entender como posso contribuir no mundo do futebol neste momento", completou.

Kaká tem dois filhos, Luca e Isabella, que vivem no Brasil com sua ex-mulher. O brasileiro ainda elogiou o técnico Gattuso, com quem jogou junto no Milan. Os dois ajudaram o time a conquistar a Liga dos Campeões da temporada 2006/2007.

"Estou muito feliz por ele ser o treinador do Milan. Ele é uma pessoa de muita determinação e também é bastante concentrado em termos de trabalho. Agora esperamos que consiga ajudar o time na conquista de grandes resultados", finalizou Kaká, que como jogador fez 304 jogos com a camisa do Milan e anotou 107 gols.

 

 

Mais conteúdo sobre:
Milan Kaká futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.