Juan Medina/Reuters
Juan Medina/Reuters

Kaká é apresentado pelo Real Madrid e veste a camisa 8

Brasileiro é ovacionado por grande público no Santiago Bernabéu; ele diz que viveu um dia histórico

EFE,

30 de junho de 2009 | 15h56

Diante de um grande público no Estádio Santiago Bernabéu, o meia Kaká foi apresentado oficialmente pelo Real Madrid nesta terça-feira. O brasileiro, contratado por 65 milhões de euros (R$ 177,5 milhões), vestirá a camisa 8.

Veja também:

linkEm dia 'histórico', Kaká revela 'fascínio' pelo Real

forum O brasileiro Kaká terá sucesso no Real Madrid?

video TV Estadão: Kaká é o novo príncipe do Real Madrid 

som Ouça na Eldorado/ESPN o discurso de Kaká

especial Mercado: as transferências dos times

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

O jogador foi ovacionado ao entrar no gramado, após ser chamado pelo presidente Florentino Pérez ao palco montado no centro do campo.

Vestindo o uniforme completo da nova equipe, o meia cumprimentou o dirigente e o ex-jogador Alfredo Di Stéfano, considerado uma lenda do clube.

Kaká exibiu para a torcida uma camisa com seu nome e agradeceu, em espanhol, o carinho dos torcedores. "Hoje é um dia muito especial para mim. Estou feliz por essa nova etapa da minha carreira no Real Madrid", disse.

Na entrevista coletiva, Kaká destacou o fascínio do Real. "Foi um dia inesquecível, uma coisa inédita na minha vida e na vida de vocês. É um dia histórico. O Real Madrid tem todo um fascínio futebolístico. Quando eu converso com os jogadores que já jogaram no Real, sempre tenho excelentes referências."

ALEGRIA

Feliz com a recepção que teve ao chegar ao novo clube, Kaká afirmou que se sentiu orgulhoso. "A última vez que vi algo similar foi na apresentação de Ronaldinho Gaúcho pelo Milan, nunca tinha sentido nada parecido. E agora vivi algo assim e foi um dia inesquecível. É uma motivação para grandes conquistas e títulos", destacou.

O brasileiro reconheceu ter recebido diversas ofertas, mas só as escutava se o Milan autorizasse. Kaká admitiu que o italiano Carlo Ancelotti, que o treinou no rubro-negro de Milão, telefonou para convencê-lo a se transferir ao Chelsea, seu novo clube.

"Fui sincero e agradeci a Ancelotti por tudo o que fizemos juntos e o que ganhamos. Mas lhe disse que, se saísse do Milan, era para jogar no Real Madrid", afirmou.

COMPANHIA

Segundo Kaká, será um privilégio jogar com o português Cristiano Ronaldo. Ele descartou qualquer problema em dividir espaço tanto dentro como fora de campo com a outra estrela do elenco.

"É um privilégio atuar com Cristiano Ronaldo, foi um grande jogador nos últimos anos com a camisa do Manchester United. Mas o Real Madrid não será só ele. Raúl, que ganhou muitas coisas, também estará aqui, além de outros jogadores que podem chegar no futuro", explicou.

"Não haverá rivalidade com Cristiano porque somos compatíveis no campo, e fora dele não vai ter qualquer tipo de problema. Temos experiência e entre nós não haverá ciúmes nem vaidade", disse.

PROJETO

O atleta confessou que o projeto apresentado pelo Real Madrid foi fundamental para que aceitasse a transferência para o clube.

"Quando Florentino (Pérez, presidente do Real) me chamou, não falou de nomes, mas sim de um projeto. Achei que isso seria possível e que seria um privilégio atuar com jogadores como Casillas, Raúl, Cristiano Ronaldo".

Kaká não poupou elogios ao seu novo clube e explicou que conversou com companheiros de seleção que já passaram pelo Bernabéu. "Escolhi o Real Madrid porque tem uma grande fama mundial. E companheiros da seleção que tinham jogado aqui me falaram da excelência deste clube".

O brasileiro lembrou da negociação com o Manchester City no início do ano e reconheceu que a sua saída era necessária para os cofres do Milan, que em janeiro deixou a decisão nas suas mãos.

"Em janeiro, o Milan abriu as portas pela primeira vez a um jogador. Isso nunca tinha acontecido antes no Milan. Estamos em meio a uma crise mundial e aquele foi um momento muito emotivo para mim e compreendi a situação do clube", declarou.

"Após o Campeonato Italiano, o Milan voltou a me chamar para conversar e disse que havia ofertas. Falou de crise e problemas, e que estava aberto a uma negociação. Era a segunda vez. E tive que decidir. Mas sabia que se saísse do Milan, queria jogar no Real Madrid. Esse era meu desejo", completou.

Atualizado às 18h49 para acréscimo de informação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.