Kaká lamenta deixar a seleção agora

O jogador Kaká foi dispensado da seleção brasileira, após a goleada por 5 a 2 sobre a Venezuela. Autor de dois gols na partida, ele recebeu cartão amarelo - o segundo nas Eliminatórias da Copa de 2006 - ao cometer uma falta ríspida logo no início do jogo em Maracaibo.Pelo regulamento das Eliminatórias, tem de cumprir um jogo de suspensão. Ele deve passar um ou dois dias em São Paulo, antes de embarcar de volta para Milão. Na manhã deste domingo, em Maceió, ainda no avião que trouxe a delegação brasileira de Maracaibo, Kaká falava com alegria dos gols marcados contra Venezuela e, ao mesmo tempo, lamentou a sua punição."Fazer dois gols num jogo do Brasil é maravilhoso. Foi um retorno ótimo", disse Kaká, em referência às três partidas recentes (contra Haiti, Bolívia e Alemanha) em que não defendeu a seleção.Sempre atencioso com a imprensa, o meia-atacante do Milan deixou escapar que a origem do cartão se deve, em parte, à maneira como vem atuando no clube italiano. "Tenho voltado para marcar, dar combate no meio, e, às vezes, na ânsia de retomar a bola, cometo faltas", explicou. Ele ressaltou que vem aprendendo na Itália a evitar os contra-ataques do adversário. "O lance era perigoso e eu parei a jogada de propósito."Ele contou que sua intenção, a partir do confronto com a Venezuela, seria a de recomeçar uma seqüência de partidas na seleção. "Vou ficar fora. Paciência", lamentou. Apesar do discurso de conformismo, revelou uma certa preocupação com relação a futuras convocações. Disse que o Brasil é tão privilegiado em jogadores de qualidade e que, por isso, tem de estar sempre disponível para o time brasileiro. Kaká, porém, vai continuar como titular do time de Carlos Alberto Parreira e será convocado para o último compromisso do Brasil este ano pelas Eliminatórias - em novembro, contra o Equador, em Quito.O jogador também voltou a falar da inclusão de seu nome entre os melhores do mundo em 2004, numa lista preliminar elaborada pela Fifa com o total de 35 atletas. Garantiu que se sentia lisonjeado, mas não alimentava a esperança de ganhar o título de destaque do ano. "Tenho muito tempo para isso. Preciso fazer muito ainda no Milan e na seleção. Então, quem sabe, sou eleito o melhor do mundo." Zagallo - O coordenador-técnico da seleção descansou boa parte do dia e à noite recebeu parentes no Hotel Ritz, em Maceió. Ele nasceu em Maceió e se mudou para o Rio ainda criança. Mas nunca perdeu o contato com a família em Alagoas.Do primo Luís Jorge recebeu um forte abraço e a promessa de uma torcida especial no jogo com a Colômbia, na quarta-feira. "Juntando os Lobos e os Zagallos em Maceió, vamos levar muita gente para o Estádio Rei Pelé", brincou o parente do coordenador da seleção, que se chama Mário Jorge Lobo Zagallo.Treino - A seleção pode esperar uma festa na tarde desta segunda-feira, durante a atividade prevista para o local da partida, o Rei Pelé. São aguardadas entre 10 mil e 15 mil pessoas no estádio.O governo de Alagoas vai cobrar ingresso para o treino: uma lata de leite em pó. O que for arrecadado deverá ser destinado a instituições de caridade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.