Kaká pede fim de euforia para não repetir Copa de 2006

Eleito o melhor jogador da Copa das Confederações, o meio-campista Kaká pediu que a seleção brasileira mantenha a humildade após o título conquistado neste domingo, na África do Sul. Ele lembrou que, depois de erguer a taça na Alemanha, em 2005, a equipe acabou se perdendo na preparação para a Copa do Mundo do ano seguinte.

AE, Agencia Estado

28 de junho de 2009 | 19h03

"Temos de evitar toda essa euforia. Em 2006, a forma como foi a preparação em Weggis não foi muito legal, teve muita euforia. Aqui [na África do Sul] a gente teve uma preparação muito boa. Espero que o nosso favoritismo para a próxima Copa seja bem contido, sobretudo dentro do grupo dos jogadores", disse o jogador.

Kaká lembrou que, antes mesmo de considerar-se favorita ao título no Mundial, a seleção precisa conquistar em campo uma vaga. "Primeiro temos de classificar, faltam ainda quatro jogos e esperamos garantir a vaga já nos próximos dois", afirmou.

Ao falar sobre a conquista da Bola de Ouro, o novo contratado do Real Madrid preferiu dividir a premiação com os companheiros. "Se a seleção não fosse campeã, com certeza eu não seria eleito o melhor do torneio. Por isso agradeço muito a todos da equipe", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.