Kaká vai casar e só pensa no Milan

Kaká, aos 23 anos, diz que atingiu a maturidade após duas temporadas de sucesso na Europa. Dentro e fora do campo. E anunciou publicamente o amor pela estudante paulistana Caroline Celico, de 17 anos, sua namorada há quase três anos, desde o fim da Copa do Mundo da Coréia e do Japão. Os dois estão noivos e planejam casamento para 2006.O meia do Milan exibe, orgulhoso, a aliança de noivado, que não tira do dedo para quase nada. O único inconveniente do relacionamento, afirma o jogador, é a distância que separa os dois. Ele mora na Itália. Ela, em São Paulo. "Mas a gente tenta se ver pelo menos uma vez por mês, quando eu volto para o Brasil por causa da seleção ou quando ela tira folga do colégio e me visita na Itália", conta Kaká. "E a gente se fala todos os dias por telefone." Caroline termina os estudos ainda neste ano e, após o casamento, deverá passar a morar na Europa. O contrato do atleta com o Milan vai até 2009. Sua intenção, garante, é permanecer pelo menos mais alguns anos na Itália, onde se diz extremamente satisfeito. "Estou bem adaptado ao futebol italiano." A única grande decepção nestas duas temporadas no Milan foi a surpreendente derrota para o Liverpool, na final da Copa dos Campeões, há duas semanas. Sua equipe vencia por 3 a 0, mas permitiu o empate no segundo tempo e acabou derrotada na decisão por pênaltis.Nesse tempo de Europa viveu poucos problemas. No início do segundo ano, chegou a ser criticado pela imprensa por não ter conseguido manter o bom nível do primeiro. Mas, em poucos meses, voltou a jogar bem e a resgatar o prestígio com os torcedores e a mídia. "Esse meu segundo ano no Milan foi de amadurecimento, de afirmação", analisou Kaká. "Há algumas diferenças do futebol italiano em relação ao brasileiro, a marcação, por exemplo, é mais dura", acrescentou. "Depois do primeiro ano, passei a ser mais conhecido, mais controlado pela imprensa e a marcação por parte dos adversários aumentou, mas estou feliz lá." Na seleção, Kaká também vem tendo bom desempenho. Neste domingo, contra o Paraguai, não chegou a brilhar, mas foi bem. Tem a total confiança do técnico Carlos Alberto Parreira e é nome certo na Copa do Mundo da Alemanha, em 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.