Lee Smith/Reuters
Lee Smith/Reuters

Kane diz que artilharia da Copa significaria ajudar a Inglaterra no torneio

Atacante do Tottenham tem cinco gols em dois jogos nesta Copa do Mundo - ele foi poupado contra a Bélgica

Estadão Conteúdo

02 Julho 2018 | 09h14

Harry Kane crê que as boas atuações individuais dele acompanham o bom desempenho da Inglaterra, por isso não é tímido em admitir que gostaria de ser o artilheiro da Copa do Mundo. Neste momento, o atacante ocupa a liderança desse ranking, com cinco gols marcados nas duas partidas que disputou no torneio.

+ Zagueiro da Inglaterra elogia Colômbia, mas avisa: "Estamos cheios de confiança"

+ Meia da Inglatera diz que Southgate revolucionou seleção: "Jogamos sem medo"

+ James não treina, mas viaja com a Colômbia e agradece fãs: "Voltarei mais forte"

"Claro que seria fantástico conquistar esse prêmio. A maior prioridade é avançar na competição. Mas eu sinto que, se eu jogar bem, o time joga bem. Se tudo der certo, eu vou marcar mais vezes e as coisa vão se ajeitar", disse Kane em entrevista ao site da Fifa publicada nesta segunda-feira.

Pelas oitavas de final, a Inglaterra vai enfrentar a Colômbia, às 15 horas (de Brasília) desta terça-feira, no Spartak Stadium, em Moscou. "Tomara que possamos criar a o maior número de chances possíveis, mas eles também têm ótimos jogadores ofensivos, como Falcao García e James Rodríguez. Sabemos que precisaremos apresentar nosso melhor, mas até agora mostramos ter um ótimo ataque", analisou o atacante inglês.

Kane espera quebrar o jejum da seleção inglesa, que não vence um confronto eliminatório em torneio de grande porte desde o Mundial de 2006. Na ocasião, a Inglaterra derrotou o Equador por 1 a 0, com gol de falta de David Beckham, e avançou às quartas de final daquela edição.

"Nosso objetivo é esse. Nosso retrospecto não tem sido muito bom nos últimos anos. Nós sabemos disso e a torcida também. É nossa chance de tentar mudar isso", afirmou Kane, eliminado com a seleção inglesa nas oitavas de final da Eurocopa de 2016, pela Islândia.

O atacante já marcou dois gols de pênalti no Mundial, mas sabe que o contexto será diferente se ele tiver de cobrar um durante uma disputa de penalidades. "É difícil treinar para isso, porque você está cansado depois de 120 minutos de jogo, o cenário físico e mental é diferente", explicou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.