Mike Egerton / AP
Mike Egerton / AP

Kane volta a treinar com o Tottenham dias antes de duelo contra o Manchester City

Imprensa europeia noticia que os atuais campeões ingleses estariam dispostos a desembolsar 150 milhões de euros pelo atacante de 28 anos

Redação, Estadão Conteúdo

13 de agosto de 2021 | 10h58

Após um período de suspense e sem aparecer para treinar, o centroavante inglês Harry Kane voltou ao CT do Tottenham nesta sexta-feira para iniciar os trabalhos de preparação física e técnica para a temporada 2021-2022 sob comando do novo treinador, o português Nuno Espírito Santo. O camisa 10 esteve isolado após retornar das férias e teve que realizar teste de covid-19 antes de voltar aos gramados.

Neste domingo, o Tottenham enfrenta o Manchester City, no Tottenham Hotspur Stadium, em Londres, pela rodada inaugural do Campeonato Inglês, em um confronto curioso. O clube do técnico espanhol Pep Guardiola é a principal pedra no sapato da equipe de Londres nesta janela de transferências por sonhar com a contratação do centroavante.

De acordo com informações da imprensa inglesa, o Manchester City prepara uma oferta de 150 milhões de euros (R$ 915 milhões na cotação atual) caso o Tottenham mude sua postura. Até o momento, Daniel Levy, mandatário do clube de Londres, não demonstrou nenhum interesse em se desfazer do seu principal jogador. O atleta tem contrato até 2024 e sem um acordo entre os dois clubes não há como Kane vestir a camisa rival.

O Tottenham não recebeu nenhuma outra oferta pelo artilheiro, enquanto que a estratégia do Manchester City é ser paciente nesta janela de transferências. O prazo final do mercado é o próximo dia 31, o que dá margem para que os times negociem e finalizem a operação.

Kane também já deu demonstrações públicas de que não quer seguir atuando no Tottenham. Com todos esses ingredientes, Nuno Espírito Santo irá decidir neste sábado quais atletas serão relacionados para a partida e o centroavante não tem presença garantida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.