Kannemann lamenta erros e gols sofridos pelo Grêmio: 'Estamos pagando caro'

'Estamos pagando muito caro pela desconcentração', afirma zagueiro

Estadao Conteudo

17 de abril de 2017 | 20h26

Depois de uma ótima sequência defensiva, com apenas um gol sofrido em cinco jogos, o Grêmio não repetiu o mesmo desempenho e teve a rede balançada três vezes nas últimas duas partidas. A queda recente acendeu o sinal de alerta no elenco, e isto ficou claro na entrevista coletiva do zagueiro Kannemann nesta segunda-feira.

"São gols que poderiam não ter acontecido. Foram erros nossos. Estamos pagando muito caro pela desconcentração. Faz tempo que está acontecendo. O gol do Novo Hamburgo foi no primeiro chute deles no gol. Temos que trabalhar e tratar de não ter desconcentração, de melhorar jogo a jogo", declarou.

Diante do Deportes Iquique, na terça-feira passada, pela Libertadores, o Grêmio chegou a abrir 3 a 0 antes de levar um susto na etapa final e precisar segurar o triunfo por 3 a 2. Já no domingo, o time saiu na frente e levou o gol que selou o empate com o Novo Hamburgo por 1 a 1 logo depois, complicando sua vida no Campeonato Gaúcho.

"Acho que o time está concentrado. No ano passado, às vezes a equipe contrária atacava, produzia oportunidades e errava, chutava para fora. Acho que neste ano, teve uma ou duas oportunidades em que pagamos caro. O adversário cria uma ou outra chance e acerta. Acho que é virtude do rival, mas temos que melhorar e não dar essas brechas. E que não tenham possibilidade de fazer o gol", considerou.


Kannemann e o restante do elenco do Grêmio se reapresentaram nesta segunda-feira e iniciaram a preparação para encarar o Guaraní, do Paraguai, na quinta-feira, fora de casa, pela Libertadores. Os jogadores titulares fizeram apenas um trabalho de regeneração, enquanto os outros participaram de uma atividade física e tática sob os olhares de Renato Gaúcho no gramado.

Tudo o que sabemos sobre:
Grêmiofutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.