Arquivo/AE
Arquivo/AE

Keirrison admite que gols lhe trouxeram tranquilidade

Atacante nega problemas com Luxemburgo e diz que está focado no jogo contra o Nacional pela Libertadores

AE, Agencia Estado

15 de junho de 2009 | 21h54

Depois de finalmente desencantar com dois gols e uma boa atuação contra o Cruzeiro, no último domingo, no Palestra Itália, Keirrison foi surpreendido com novas cobranças de Vanderlei Luxemburgo para que defina sua "situação". O técnico do Palmeiras entende que o atacante tinha "desviado o foco" por conta do assédio de clubes europeus.

 

Veja também:

linkFelipão leva apoio ao clube antes de jogo na Libertadores

linkGripe afeta atletas do Nacional antes de duelo com Palmeiras

tabela Copa Libertadores - Classificação e Calendário 

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Nesta segunda-feira, Keirrison minimizou a cobrança e negou qualquer atrito com Luxemburgo. "Eu entendo o que ele quis dizer e respeito. Mas minha cabeça sempre esteve voltada para o Palmeiras. Tenho contrato de quatro anos e quero muito ajudar o time a ser campeão da Libertadores", avisou o atacante.

Keirrison reconheceu, porém, que os dois gols feitos contra o Cruzeiro o deixam mais tranquilo para a partida com o Nacional, quarta-feira, em Montevidéu, pelas quartas de final da Libertadores - o Palmeiras precisa vencer ou empatar por dois ou mais gols para se classificar.

"Realmente eu tive uma queda de rendimento, mas acho que toda a equipe também teve. Essa vitória contra o Cruzeiro foi importante para nos dar mais tranquilidade", contou Keirrison, que falou ainda que se sente "pronto para chamar a responsabilidade". "O Palmeiras tem um elenco e isto não é uma partida de tênis em que só um joga. Nossa força está no conjunto."

Apesar da boa atuação no domingo, Luxemburgo ainda não quis confirmar se irá manter a mesma equipe na quarta-feira, mas a tendência é que ele escale o Palmeiras novamente no esquema 3-5-2, com Willians fazendo dupla de ataque com Keirrison.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.