Marcio Fernandes/AE
Marcio Fernandes/AE

Keirrison brilha e Palmeiras vence Cruzeiro por 3 a 1

Arbitragem polêmica em gols do alviverde geram reclamação dos mineiros; time de Luxemburgo chega ao G-4

André Rigue, estadao.com.br

14 de junho de 2009 | 20h17

Keirrison marcou dois gols, a arbitragem deu uma ajudinha e o Palmeiras derrotou o Cruzeiro por 3 a 1, no Palestra Itália, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro. A terceira vitória por virada dentro de casa deixou o clube alviverde com 11 pontos, em terceiro lugar na tabela - Atlético-MG e Inter lideram com 14.

 

Veja também:

linkLuxa diz que Palmeiras está motivado para encara Nacional

linkPalmeiras homenageia os campeões da Libertadores de 1999

som Ouça na Eldorado/ESPN: Palmeiras 0 x 1; Palmeiras 1 x 1; Palmeiras 2 x 1; Palmeiras 3 x 1

especialVisite o canal especial do Brasileirão

especialJogue o Desafio dos Craques

lista Brasileirão - Calendário

tabela Brasileirão - Classificação

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

 

Para o duelo deste domingo, o técnico Vanderlei Luxemburgo adotou o 3-5-2, esquema que ele deve utilizar no jogo contra o Nacional (URU), pela Copa Libertadores. Marcão atuou na zaga e Willians no ataque. Obina e Mozart foram para o banco. Já o Cruzeiro, que também tem duelo decisivo contra o São Paulo na Libertadores, jogou no 4-4-2, com o retorno de Sorín.

 

Diferente do jogo contra o Vitória, o Palmeiras começou bem postado e criou boas chances para marcar. No entanto, foi o Cruzeiro que saiu na frente. Aos 24 minutos, Bernardo contou com a sorte para abrir o marcador. O jogador cobrou falta de fora da área, a bola desviou em Cleiton Xavier e entrou no contrapé de Marcos.

 

Para chegar ao empate, o Palmeiras contou com a ajuda da arbitragem. Aos 33 minutos, Wendel aproveitou a liberdade pela direita para cruzar. Marcão apareceu livre na área e cabeceou com força. A bola bateu no travessão e quicou na linha. O trio de arbitragem deu que a bola entrou e confirmou o empate: 1 a 1.

 

O Palmeira se animou e Keirrison, então apagado, marcou um gol sensacional. Aos 38 minutos, o atacante aproveitou rebote e acertou um voleio da meia lua da grande área. A bola estufou as redes de Fábio, que não teve qualquer chance de defesa. O gol foi comemorado pelo "K9", que tenta sair da má fase.

Palmeiras 3
Palmeiras - Marcos; Danilo, Maurício Ramos e Marcão    ; Wendel, Pierre, Cleiton Xavier, Diego Souza (Mozart    ) e Armero; Willians (Deyvid Sacconi) e Keirrison (Ortigoza)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo
Cruzeiro 1
Fábio; Jancarlos, Léo Fortunato, Gustavo (Leonardo Silva    ) e Sorín (Jonathan); Henrique    , Elicarlos, Marquinhos Paraná e Bernardo; Wellington Paulista e Wanderley     (Dudu)
Técnico: Adílson Batista
Gols: Bernardo, aos 24, Marcão, aos 33, e Keirrison, aos 38 minutos do primeiro tempo; Keirrison, aos 14 minutos do segundo tempo

Árbitro: Leandro Vuaden (Fifa-RS)

Renda: R$ 356.776,00

Público: 11.214 pagantes

Estádio: Palestra Itália, em São Paulo (SP)

 

Acostumado a reclamar da arbitragem, Luxemburgo desta vez não teve do que se queixar. Nos minutos finais do primeiro tempo, Wendel ainda derrubou Bernardo dentro da área e cometeu pênalti. O árbitro Leandro Vuaden mandou o lance seguir e o Palmeiras foi para o intervalo em vantagem.

 

O segundo tempo começou com domínio do Palmeiras. O terceiro gol surgiu aos 14 minutos, novamente em polêmica da arbitragem. O bandeirinha marcou impedimento de Keirrison em contra-ataque, mas Vuaden mandou o lance prosseguir, uma vez que a bola foi para Wendel. Após cruzamento na área, a bola sobrou para o "K9", que fez 3 a 1.

 

O terceiro gol acabou com qualquer chance de reação do Cruzeiro. O Palmeiras teve chances para transformar o placar em goleada, mas a bola não voltou a entrar. Além de comemorar a entrada no G-4 do Brasileirão, o torcedor ficou com uma boa impressão do time que deve ser titular contra o Nacional nesta quarta-feira, às 19h20.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.