Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

Keirrison é chamado de pipoqueiro por torcedores

Alguns da Turma do Amendoim chamaram o atacante de 'Pipokeirrison' na partida no Palestra Itália

Juliano Costa, Agencia Estado

18 de abril de 2009 | 22h19

SÃO PAULO - O atacante Keirrison foi novamente hostilizado por alguns torcedores palmeirenses revoltados com sua atuação apagada na derrota por 2 a 1 para o Santos, neste sábado, que eliminou a equipe do Campeonato Paulista. Alguns da Turma do Amendoim chamaram o atacante de "pipoqueiro", ou simplesmente "Pipokeirrison".

Veja também:

linkSantos vence o Palmeiras e está na final do Paulistão

mais imagens Galeria de fotos do clássico no Palestra Itália

tabela  Campeonato Paulista - Calendário / Resultados

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Embora ele seja o artilheiro do Paulistão e da Libertadores, a cada jogo a pressão aumenta sobre ele. Isso acontece desde que começaram as especulações sobre sua saída para a Europa. Preocupado, o empresário de Keirrison, Marcos Malaquias, tenta convencer a diretoria a liberá-lo já na próxima janela de transferências, em julho. Mas o clube quer segurá-lo por pelo menos um ano.

Wagner Ribeiro, que é empresário do santista Neymar e também é associado à Traffic, revelou neste sábado que o Real Madrid está de olho em Keirrison. "Assisti ao jogo entre Real Madrid e Liverpool pela Liga dos Campeões, no mês passado, e o Angel Sanchez (dirigente do Real) me chamou para falar sobre o Keirrison, sabendo que eu trabalho para a Traffic. Ele pediu uma carta de preferência, mas o J. Hawilla não quis dar. Ele (Sanchez) chegou a falar em 25 milhões de euros (pouco mais de R$ 71 milhões), mas o Hawilla acha que é pouco."

O jogador saiu rapidamente do Palestra Itália, e falou apenas sobre a frustração pela derrota. "É chato, a gente queria chegar à final, mas agora tem que focar na Libertadores". O técnico Vanderlei Luxemburgo saiu em sua defesa. "O que está acontecendo com o Keirrison não é diferente do que já aconteceu com Kaká no São Paulo, um jogador que está em formação, tão jovem, que vai ser sempre questionado. A tendência é ele passar por esse momento de dificuldade, mas eu não posso deixar de escalar por causa disso", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.