Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação
Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação

Keno afirma que Palmeiras jogou pelo técnico Alberto Valentim

Atacante deu as três assistências para a vitória do Palmeiras sobre o Atlético-GO

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

16 Outubro 2017 | 19h29

Destaque da vitória do Palmeiras sobre o Atlético-GO por 3 a 1, com assistências para todos os gols da equipe, o atacante Keno afirma que o time estava pressionado depois da saída do técnico Cuca. Foi o primeiro jogo sob o comando interino de Alberto Valentim.

+ Alberto Valentim despista sobre continuidade no Palmeiras em 2018

"A gente tem a maior confiança no Valentim. Na preleção, estávamos sentindo um peso em cima dele. Assumir o Palmeiras do jeito que está, contra um franco atirador... uma derrota ficaria ruim. Jogamos por ele", disse o atacante em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira na Academia de Futebol.

Com a concorrência de Dudu, Willian e Erik para a partida, Keno confessa que não esperava atuar. Nas três partidas anteriores, ele nem sequer havia atuado. "Eu não esperava. A gente foi para o campo (no sábado), e o Valentim não tinha nem tempo para treinar. Quando chegou de manhã, a gente se reuniu, e ele falou meu nome. Eu não estava esperando, mas estava bem preparado", afirmou.

Keno é o quinto jogador com mais atuações no ano. Foram 44, atrás apenas de Fernando Prass (51), Róger Guedes (48), Willian (48) e Tchê Tchê (45). Foi reserva 26 vezes, mas fez 18 jogos como titular, incluindo o do último domingo. Ele está bem entre os artilheiros: Willian é o artilheiro do time na temporada, com 17 gols, Dudu, 11; Róger Guedes, oito; Keno, sete.

A entrevista de Keno teve tom descontraído. O jogador encara com bom humor as comparações com Ronaldinho que renderam o apelido de Kenaldinho nas redes sociais, desde a época em que atuava pelo Santa Cruz. "Admiro muito o Ronaldinho, mas não pareço muito, estava olhando a foto (risos)", brincou o jogador. "Queria eu ter o futebol dele! Desde o ano passado, quando eu estava no Santa Cruz, ficou essa história de Kenaldinho aí. Fico feliz com essa comparação", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.