Kléber não quer ir jogar na Ucrânia

Campeão mundial com seleção sub-20, o atacante Kléber foi enfático ao desembarcar neste domingo no Rio e falar sobre a sua saída do São Paulo. "Só vou se eu quiser. Ninguém vai me forçar a nada." O jogador, que nesta segunda será homenageado com os demais companheiros, em um hotel da zona sul do Rio, pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) não assumiu, mas deixou transparecer que não tem o desejo de se transferir para uma equipe de pouca expressão no futebol, como o Dínamo de Kiev, da Ucrânia. "Não assinei nada com ninguém. E vou decidir nos próximos dias", informou Kléber, que tem sua negociação considerada como certa pelos dirigentes do São Paulo, por cerca de US$ 2,2 milhões. "Todo jogador gostaria de ir para um time grande da Europa." Apesar de não admitir de que não deseja se transferir para o Dínamo de Kiev, a única referência positiva apontada por Kléber sobre o clube foi o fato de o time disputar a Liga dos Campeões. Na realidade, este é o principal argumento de seus assessores e dirigentes do São Paulo na tentativa de convencê-lo a assinar o contrato. A competição européia serviria de "vitrine" para o atacante realizar o sonho de atuar por clubes como o Barcelona, Real Madrid, Juventus e Manchester United. Kléber, de 20 anos, lembrou que sua ida para a Ucrânia seria válida financeiramente, mas o seu desejo é o de permanecer no São Paulo, com quem tem contrato por mais cinco anos. Há dez anos no clube, o jogador afirmou ter ainda muito a evoluir no futebol e "talvez" não seja o momento de deixar o Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.