Kléber nega falta de 'fair play' e critica Flamengo

Um dia depois de ser protagonista de nova polêmica, Kléber se defendeu das críticas recebidas na noite de quarta-feira, por não ter tido "fair play" em um lance no final da partida contra o Flamengo, e criticou a atitude do rival durante o jogo.

AE, Agência Estado

21 de julho de 2011 | 18h28

A jogada polêmica aconteceu nos minutos finais da partida, quando Kléber arrancou com a bola em direção ao gol e surpreendeu os rivais. Os jogadores do Flamengo esperavam a devolução da bola porque Junior Cesar havia sofrido falta no lance anterior.

"A bola era de quem naquele lance? Do Flamengo, só pelo fato do Junior Cesar ter caído? Eu não precisava ter devolvido, o Flamengo é quem deveria ter feito isso", afirmou o atacante do Palmeiras. "Naquela jogada, o árbitro deveria ter tomado uma atitude e falado para qualquer um dos dois clubes de quem seria a bola. Ele não fez isso".

"Quando o Vuaden parou a jogada, eu falei diversas vezes para os jogadores do Flamengo chutarem a bola para fora. Eles não fizeram isso porque queriam enrolar. Eu queria a vitória e simplesmente peguei a bola e fui em direção ao gol", explicou Kléber, que criticou a postura dos adversários na partida.

"Será que é ''fair play'' ficar batendo o jogo inteiro? Será que é ''fair play'' o Ronaldinho querer chutar por cima do Marcos mesmo com o lance já parado? O Felipe já estava tentando atrasar o jogo, tanto é que o árbitro falou diversas vezes com ele. A gente percebeu que o Flamengo não queria saber de jogo e que o empate estava bom para eles", criticou.

O atacante reclamou ainda que a postura de "fair play" nem sempre é interpretada pelos times da mesma forma. "Acho que tem muita hipocrisia nessa história de ''fair play''. Quando acontece esse tipo de lance com a gente, a gente joga a bola sempre no mesmo lugar onde ela sai. Quando é com os outros, eles jogam lá no nosso gol. Qual é o ''fair play'' da história? No meu modo de ver, a bola era nossa quando o Vuaden parou o lance, mas o Flamengo queria fazer cera e por isso ficaram lá parados", completou.

Kléber também comentou sobre a negociação frustrada entre o Palmeiras e o próprio Flamengo. O atacante negou que tenha se desgastado com a diretoria palmeirense e disse que aprendeu com os "erros" cometidos no caso.

"Não acho que tenha existido briga (com o Palmeiras) porque eu não ouvi proposta nenhuma. O Palmeiras recebeu a oferta e não quis vender, não achou boa a negociação. Se for bom para mim e para o clube, eu converso. Mas eu só ouço a proposta a partir do momento em que o Palmeiras aceitar. Se falaram que pagariam 500, 600 mil reais, foi pela imprensa. Eu nunca conversei sobre valores", garantiu.

O jogador disse ainda que ficou incomodado com as "mentiras" publicadas pela imprensa. "Fiquei aborrecido com algumas mentiras. Falaram que eu dei ''migué'', que eu fui oferecido. A gente escuta muitas coisas, muitas mentiras. Acabei de ouvir que tive aumento de salário, ouvi que não iria para o jogo, ouvi que não queria jogar. Sempre tive uma ótima relação com os jornalistas, daí vem e aparece que dou ''migué''. Infelizmente, foram muitas inverdades publicadas, o torcedor lê e acaba acreditando", afirmou.

Diante destas polêmicas, Kléber revelou ter ficado surpreso com as manifestações favoráveis da torcida no jogo contra o Flamengo, no Pacaembu. "Foi um episódio que tomou proporções maiores por não ter sido bem conduzido. Eu sempre honrei a camisa do Palmeiras, sempre dei o meu melhor, mas às vezes as coisas fogem daquilo que a gente quer. Realmente, não esperava que eu seria criticado (contra o Flamengo), mas também não esperava todo esse apoio. Fiquei muito feliz".

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasKléberfair play

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.