Sérgio Neves/AE
Sérgio Neves/AE

Kleber Pereira critica excesso de preciosismo no Santos

'Time que quer uma vaga na Libertadores não pode ficar com tanta frescura', disse o atacante depois da vitória

Sanches Filho, Agencia Estado

13 de setembro de 2009 | 19h25

Nem tudo foi festa na vitória do Santos sobre o Santo André, por 1 a 0, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro. Após a vitória, na Vila Belmiro, o atacante Kleber Pereira saiu reclamando do individualismo de alguns companheiros, em clara referência a Neymar.

Veja também:

linkJOGO - Leia como foi Santos 1x0 Santo André 

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"A vitória foi importante, mas precisamos deixar de muita frescura. Time que quer vaga na Libertadores não pode ficar com tanta frescura. Isso é Campeonato Brasileiro, uma das competições mais difíceis do mundo e por isso não se pode brincar", disse o artilheiro.

Na partida deste domingo, o gol santista foi de Germano, mas Kleber Pereira colocou-se bem inúmeras vezes para receber a bola e finalizar. Porém, em mais de uma ocasião ele não recebeu o passe de Neymar.

O jovem atacante não concordou com a reclamação do companheiro. "Futebol é para ser jogado e o nosso time voltou a ser rápido. O que houve foi criatividade e não firula", defendeu-se.

Mas o técnico Vanderlei Luxemburgo também viu excesso de preciosismo de alguns lances de Neymar e aproveitou para dizer que o que aconteceu no jogo de ontem serviu para mostrar que ele tem razão quando diz que o garoto ainda não está pronto para ser titular.

O treinador, no entanto, também não aprovou o comportamento de Kleber Pereira. "Esse tipo de declaração só é boa para vocês (imprensa), mas não vai ter crise. Os meninos têm que entender que em alguns momentos é preciso ser mais objetivo. Esse tipo de reclamação, Kleber tem que fazer internamente", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.