Kléber Pereira diz que pior já passou e faz planos para ficar

Atacante do Santos afirma que se sentiu aliviado com gols contra o Guarani e quer renovar contrato

Sanches Filho, Especial para O Estado de S. Paulo

22 de fevereiro de 2008 | 19h52

Se algum clube do Brasil ou do exterior sonha com os gols de Kléber Pereira, pode desistir. Depois de desequilibrar na vitória por 3 a 1 contra o Guarani, na Vila Belmiro, quinta-feira à noite, com dois gols e passe para o outro, o artilheiro se sente aliviado e conta que faz planos para continuar no Santos. "Meu contrato termina entre o fim de junho e o começo de julho, e já conversei com o presidente para acertarmos a minha permanência no clube. Mas isso fica para mais tarde. Antes, quero ajudar o time no Campeonato Paulista e na Libertadores, agora que o pior passou", afirmou Kléber Pereira, que ainda não desistiu da idéia de um dia voltar a jogar pelo Necaxa, do México. Embora tenha comemorado bastante seu segundo gol, quando driblou três zagueiros e o goleiro Jesiel do Guarani, Kléber Pereira disse que já marcou outros mais bonitos. "Mas talvez tenha sido o mais importante, porque o Guarani estava pressionando e se empatasse o jogo seria muito ruim para nós." Kléber Pereira contou que quarta-feira à noite, na concentração, véspera do jogo com o Guarani, houve uma reunião só dos jogadores para que "lavassem a roupa suja". "E todos concordaram que tínhamos condições de reagir, porque o time vinha crescendo até acontecer aquele desastre em Rio Preto. E que era fundamental, para nós, sair dessa situação em que estávamos. As cobranças eram ouvidas na hora de abastecer o carro e no supermercado." Para o artilheiro, a vitória não serviu apenas para recolocar o Santos na luta para se classificar entre os quatro finalistas do Campeonato Paulista. "Ficou provado que o grupo é unido, e que aqui ninguém estava fazendo complô contra o professor Leão", disse. Para ele, outro motivo de a equipe ter voltado a vencer foi que mudou a maneira de jogar. "Procuramos trocar mais passes e fazer jogadas de aproximação. Para o time ir bem, é fundamental que mantenha a posse a bola, e essa foi a preocupação de Rodrigo Souto, Molina e Marcinho Guerreiro." Bem-humorado, Kléber Pereira voltou a falar nesta sexta sobre o lance acidental com Domingos, no coletivo de quarta-feira, quando foi atingido com uma cotovelada na boca e perdeu um dente. "Os outros jogadores sempre conversam que é sempre bom sair de perto de Domingos nos treinos, porque ele não é um jogador técnico e mete porrada mesmo. O melhor é tirar o pé", disse. Mas repetiu que gosta do zagueiro como jogador e que o tem como amigo. "Logo em seguida, ele me pediu desculpas. É um bom menino." ADAILTON FORA Adailton está fora do Campeonato Paulista, da Taça Libertadores da América e de parte do Brasileiro. O zagueiro fez uma ressonância magnética, na manhã desta sexta, e foi constatado que houve ruptura dos ligamentos cruzados anteriores do joelho esquerdo. Ele deve ser operado pelo consultor médico do Corinthians, Joaquim Grava, no início da próxima semana. Em 2006, quando jogava pelo Rennes, da França, Adailton sofreu o mesmo tipo de lesão no joelho direito. Leão deve confirmar Evaldo para substituir Adailton contra o Ituano, neste domingo, às 18h10, na Vila Belmiro. Essa deverá ser a única alteração no time que vai tentar a quarta vitória no Campeonato Paulista.

Tudo o que sabemos sobre:
Santos FCKléber Pereira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.