Kléber Pereira diz que sinal vermelho segue aceso

'Fiz dois gols, mas o que mais importa é a vitória. Ainda temos muita coisa pela frente', avisa o atacante

Sanches Filho, Especial para O Estado de S. Paulo

21 de fevereiro de 2008 | 23h27

Kléber Pereira compensou todos os defeitos do Santos e foi o principal responsável pela vitória que pode ser o início da reação do time no Campeonato Paulista. Depois de uma quarta-feira agitada, em que discutiu com Domingos e perdeu um dente num choque com o zagueiro, o centroavante chamou para si a responsabilidade, fez dois gols - o segundo, de alta qualidade - e deu o passe para outro na vitória por 3 a 1 contra o Guarani, na noite desta quinta, na Vila Belmiro. Veja também: Classificação Calendário / Resultados  Kléber Pereira marca dois e Santos bate o Guarani por 3 a 1 "Realmente, meu segundo gol foi bonito, mas o que mais importa é a vitória. Ainda temos muita coisa pela frente e o sinal vermelho continua aceso", disse o centroavante, que saiu de campo aplaudido pelos poucos milhares de torcedores que compareceram ao estádio. Para demonstrar que continua sendo amigo de Domingos, depois de fazer fila na defesa do Guarani, driblar o goleiro Jesiel e marcar o terceiro gol do Santos, Kléber Pereira levantou a camisa - o que lhe custou um cartão amarelo - e foi comemorar com o companheiro que estava se aquecendo com os demais reservas. "Falaram que eu briguei com Domingos, mas não é verdade. Sou amigo dele", disse o artilheiro, que disse que não deu a conta do dentista para o zagueiro. "Quem pagou foi o Santos", contou. Satisfeito com a atuação de Kléber Pereira, Leão reconheceu que ele foi o dono do jogo e brincou com o incidente do dia anterior. "Kléber voltou a jogar o que pode e temos que agradecer ao Domingos. Vou pedir para ele fazer o mesmo amanhã (sexta)." Denis, que aos poucos vai voltando a jogar como antes das duas graves contusões nos joelhos, comemorou o cruzamento que fez para Kléber Pereira abrir o marcador como se fosse um gol. "Fui muito feliz no cruzamento, mas o gol só saiu porque Kléber se esticou todo para alcançar a bola." Outros jogadores elogiados por Leão depois do jogo foram Wesley e o argentino Trípodi. "O menino foi vaiado, mas é uma das realidades que temos aqui. E vamos incentivá-lo como fizemos com outros jovens no passado. Mariano (Trípodi) é velocista e gosta de receber o lançamento em velocidade. É um argentino chato, e vamos dar o que ele quer", concluiu o treinador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.