Kleber Pereira pede aumento e contrato longo para renovar

Jogador teria pedido 40% de aumento no seu atual salário, que é de R$ 140 mil; Corinthians quer o atleta

Sanches Filho, Especial para O Estado de S. Paulo

07 de abril de 2008 | 18h30

Contrato de no mínimo dois anos e meio, com reajuste de aproximadamente 40% nos atuais vencimentos mensais de R$ 150 mil. São essas as exigências que o irmão e procurador de Kleber Pereira, Daniel Pereira, vai fazer ao presidente santista, Marcelo Teixeira, para que o artilheiro do Campeonato Paulista, com 13 gols, permaneça na Vila Belmiro.Os dois deverão se encontrar na manhã de sábado. E se não houver acordo, o assessor do jogador passará a discutir com outros interessados do Brasil e do exterior. Dentre eles o Corinthians, que faz parte do plano B de Kleber Pereira. Retornar ao futebol mexicano só em última instância, porque enquanto esteve lá, o jogador foi impedido de assinar dois grandes contratos com clubes do mundo árabe. "Preciso resolver tudo muito rápido para retornar à São Luiz (Maranhão), onde tenho outros compromissos", destacou, na tarde desta segunda-feira, por telefone, Daniel.Sem esconder que teve há algum tempo uma longa conversa com o gerente de futebol do Corinthians, Antônio Carlos, companheiro de Kleber Pereira no quando era zagueiro do Santos. "Ele queria saber como estava a situação do Kleber. Tivemos apenas uma conversa e não foi feito proposta". Outra possibilidade é o goleador retornar ao Atlético-PR. "Nesse caso seria feito um pacote para que Kleber receba o que estamos cobrando na Justiça - aproximadamente R$ 1 milhão -, que o clube paranaense deixou de pagar na sua transferência para o México." Depois dos entendimentos iniciais com o supervisor de futebol do Santos, Ilton José da Costa, e da confiança demonstrada pelo presidente Teixeira nas entrevistas, Daniel acredita que a renovação do contrato está bem encaminhada. "Nossa intenção é renovar com o Santos. Kleber gosta e se sente feliz onde está trabalhando. Porém, para que ele continue no clube depois do término do seu contrato, em 30 de junho, é preciso que haja acordo na parte financeira e com relação à duração do contrato", avisou. O procurador argumenta que pelo sonho de retornar ao futebol brasileiro, seu irmão aceitou ganhar menos do que o seu salário no Necaxa, do México. "Agora é chegado o momento da recompensa". Ele também esclarece que não está fazendo leilão e que não foi por dinheiro que Kleber Pereira trocou o Palmeiras, com quem estava acertado, pelo Santos, no meio do ano passado. "Quando soube que Vanderlei Luxemburgo tinha oferecido R$ 150 mil por mês, o Palmeiras aceitava pagar o mesmo salário, mas Kleber escolheu o Santos para trabalhar com o técnico que está entre os melhores do Brasil."Perto de completar 33 anos de idade (no dia 13 de agosto), valorizado pelos 31 gols marcados em 46 jogos e despertando o interesse de vários clubes, Kleber Pereira não quer perder a oportunidade de ganhar o que considera justo durante o que deverá ser o último contrato de sua carreira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.