Kléber pode trocar o Santos pelo Internacional

Grupo Sonda compra parcela dos direitos federativos do atleta junto ao clube santista; Léo na mira

Sanchez Filho, Especial para O Estado de S. Paulo

16 de janeiro de 2009 | 13h47

O Grupo Sonda comprou os direitos federativos de Kléber por R$ 6 milhões, a serem pagos em seis parcelas, e deve colocar o lateral-esquerdo da seleção brasileira no Internacional para, em seguida, tentar negociá-lo com o Lyon ou Mônaco, ambos da França. A informação foi confirmada nesta sexta-feira pelo vice-presidente santista, Norberto Moreira da Silva.Veja também:Bolaños chega e já pensa em títulos pelo SantosAstorga promete brigar por vaga de titular no SantosConfira as novidades do mercado do futebol Paulistão 2009 - Tabela Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão"Dentro de dois ou três dias, as negociações devem estar concluídas. Os entendimentos com o Grupo DIS estão adiantados", disse o dirigente, que também deu como certo do retorno do bicampeão brasileiro pelo clube (2002 e 2004) e ídolo da torcida Léo, que rescindiu contra com o Benfica, de Portugal, no começo da semana. Embora o dirigente negue, a venda de Kleber ao Grupo Sonda era necessária por pelo menos dois motivos: deixar vaga a lateral-esquerda para a chegada de Léo, costurada pelo presidente Marcelo Teixeira, e o enxugamento da folha de pagamentos do futebol. Consta que ele ganha quase R$ 200 mil mensais e teria o salário reajustado automaticamente, de acordo com cláusula contratual, um custo elevado para o seu rendimento nos últimos meses. "Não seria preciso negociar Kleber por causa da volta de Léo porque ele também joga de volante e de armador. Já imaginaram o time com Léo pela esquerda e Kleber no meio? A bola ficaria no chão o tempo todo", acrescentou Moreira, alegando que o Santos está sempre atento à movimentação do mercado. "E somos sempre candidatos a contratar bons valores. É necessário ter mais de um bom jogador por posição em razão dos jogos às quartas e domingos, cartões e contusões", acrescentou.SEM PROBLEMASCom a chegada de Bolaños e a compra dos direitos de Kleber, estão superados os problemas que surgiram entre o Santos e o Grupo Sonda. Nos primeiros dias do ano, o presidente Marcelo Teixeira reclamou da lentidão do parceiro na contratação de jogadores para o clube e da qualidade dos reforços oferecidos. A impressão que se tinha era de que o investidor teria se aproximado do Santos para ter preferência sobre as suas revelações e para de se livrar do pagamento de salários de jogadores de baixa qualidade técnica, como Tripodi e Quiñonez, cedidos de graça no começo do ano passado.O Grupo Sonda também tinha motivos para queixas. Quando o São Paulo mostrou interesse na contratação de Molina, o investidor sentiu que poderia levar vantagem, mandando o colombiano para o Morumbi em troca de Richarlyson, um jogador com grande possibilidades de ser vendido a um clube de ponta da Europa em breve. Mas o Santos nem aceitou discutir a possibilidade. Agora, com a contratação de Bolaños e a compra dos direitos de Kleber, a paz voltou a reinar entre os parceiros.A maior preocupação dos santistas é que tudo caminhava para que se repetisse com Kleber o que acontecido com Dodô. Ao assumir o Santos, em 2000, Teixeira não quis vender o atacante por US$ 10 milhões e no fim do contrato o atacante foi embora, e o clube não recebeu nada. O lateral foi contratado por 2,5 milhões de euros (R$ 7,7 milhões, aproximadamente) do Basel, da Suíça, e teve o seu melhor período no clube em 2007, sob o comando de Vanderlei Luxemburgo. Contratado no começo de setembro de 2005, ele disputou 180 jogos e marcou 14 gols com a camisa santista.(Atualizado às 19h31 para acréscimo de informações) 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.