Kléber tenta limpar a barra com Dunga na seleção brasileira

Jogador foi expulso na partida de domingo diante do Chile em Santiago mas mesmo assim ficou com o grupo

Marcius Azevedo - Jornal da Tarde,

10 de setembro de 2008 | 22h42

Em má fase no Santos, o lateral-esquerdo Kléber recebeu uma chance inesperada na seleção brasileira. Foi convocado por Dunga para os jogos contra Chile e Bolívia, pelas eliminatórias para a Copa de 2010. E decepcionou logo no primeiro jogo, em Santiago.Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão Com dificuldades para atuar na lateral - há algum tempo joga de ala e, algumas vezes, até de meia no Santos -, o jogador sofreu para marcar o ataque chileno, que insistiu nas jogadas pelo seu setor. Resultado: duas faltas, dois cartões amarelos e conseqüentemente o vermelho.A expulsão só não teve uma conseqüência negativa porque o Brasil, naquela altura, já vencia o Chile por 2 a 0 e ainda fez o terceiro, logo depois do ex-palmeirense Valdivia também ser expulso, igualando numericamente o jogo.Apesar disso, Kléber acusou o golpe. Sabia que não poderia desperdiçar uma chance como essa. A sua posição é uma das que ainda não tem dono no time de Dunga. A vaga está em aberto desde que Roberto Carlos se aposentou da Seleção, depois da Copa da Alemanha em 2006.Tanto que ele tomou uma atitude na tentativa de convencer Dunga de que merece outra oportunidade na seleção. Liberado pela comissão técnica para voltar ao Santos porque teria de cumprir suspensão automática contra a Bolívia, o lateral quis ficar com o grupo no Rio de Janeiro."Ele estava liberado, assim como o Gilberto Silva (suspenso pelo segundo cartão amarelo). A decisão de ficar foi dele", explicou o chefe de comunicação da CBF, Rodrigo Paiva.A postura, claro, chamou a atenção de Dunga. Resta saber se será suficiente para Kléber ser novamente lembrado. Até porque existe uma pressão enorme para que Marcelo, que foi o titular da seleção nos Jogos Olímpicos de Pequim, seja convocado. Juan Maldonado, do Flamengo, também está em alta com o técnico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.