Kléber vira ídolo na Suíça

O lateral-esquerdo Kléber, ex-Corinthians, não tem do que reclamar no futebol suíço: é um dos ídolos do Basel, seu time lidera o campeonato com oito pontos de vantagem em relação ao segundo colocado e sua família está adaptada na cidade de Basiléia. Mas falta um detalhe para completar sua alegria. "Queria muito voltar para a Seleção Brasileira. Acho que tenho condições e estou fazendo meu trabalho", disse Kléber, por telefone, enquanto arrumava as tranças do cabelo.Ele garante que continua jogando o mesmo futebol que mostrava no Corinthians ao lado de Gil e Ricardinho - no que foi chamado pelo técnico Carlos Alberto Parreira de ?o melhor lado esquerdo do mundo?. Hoje, 70% dos gols do Basel se originaram de suas assistências pela ala esquerda.O problema, admite Kléber, é que sua ida para o futebol suíço o escondeu de Parreira. "Disputei a Copa das Confederações e depois fui emprestado para o Hannover, um clube que brigava para não cair. Agora, na Suíça, ninguém sabe como eu estou. Isso é uma dificuldade.".Para voltar a ser ?selecionável?, Kléber admite a possibilidade de mudar de clube. Seu contrato com o Basel vai até 2007 e suas atuações na Copa dos Campeões e na Copa da Uefa renderam o interesse de alguns clubes europeus. O time foi desclassificado pela Inter de Milão na Copa dos Campeões e pelo Lille na Copa da Uefa, uma experiência da qual o jogador tirou muitas lições. "Deu para sentir que a diferença do futebol suíço é muito grande para o futebol francês e o italiano."Kléber até admitiu a possibilidade de voltar ao futebol brasileiro, mas o problema, nesse caso, pode ser o Basel. "Meu clube não me emprestaria. Só saio se for vendido. Isso complica, porque os clubes brasileiros geralmente contratam por empréstimo e desse jeito acho que não sai negócio comigo."Prestes a completar um ano no futebol suíço, Kléber diz que continua em contato com seus ex-companheiros de Corinthians, principalmente Gil. "Ele é um grande amigo. Infelizmente não vive uma boa fase, mas é um grande jogador e tem condições de dar a volta por cima no Corinthians ou em outro clube." Perguntado se gostaria de reviver o trio Kléber, Gil e Ricardinho, ele não hesitou:"Seria maravilhoso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.