Kleina e Mano apostam em novidades no time para o clássico de domingo

O Palmeiras pode ter a estreia de Bruno César, enquanto que o Corinthians aguarda o retorno de Renato Augusto e a liberação de Jadson

O Estado de S.Paulo

10 de fevereiro de 2014 | 13h03

SÃO PAULO - O clássico do fim de semana entre Corinthians e Palmeiras reserva surpresas também dentro de campo. Os técnicos dos dois lados correm contra o tempo para recuperar, treinar e entrosar jogadores recém-contratados a fim de fazer alguma diferença nesta partida. Gilson Kleina espera poder escalar o meia Bruno César, ex-Corinthians e repatriado da Europa há duas semanas. Mano Menezes gostaria de ter à sua disposição o meia Jadson, envolvido na troca com Alexandre Pato, que foi para o São Paulo, e Renato Augusto, em fase de recuperação de lesão.

A semana será crucial para que esses três jogadores ganhem o aval de suas comissões técnicas e sejam liberados para atuar domingo no Pacaembu. Tanto Kleina quanto Mano terá a semana cheia para trabalhar. Geralmente nessas condições, os treinadores esperam até quinta-feira para tomar suas decisões. Nesse caso, eles podem levar até sexta.

O Corinthians, em fase mais complicada porque não ganha há cinco rodadas no Paulistão, poderá se beneficiar mais dos reforços. Também porque Jadson e Renato Augusto são bons jogadores e têm condições de modificar o meio de campo corintiano. Mano e a diretoria chegaram à conclusão de que é preciso formar um novo time e se livrar de uma vez por todas da sombra e das coisas boas que a equipe campeão do mundo fez. Renato Augusto e Jadson são dois nomes dessa nova safra de corintianos.

No Palmeiras, a escalação de Bruno César daria ao time um pouco mais de poder na armação e inteligência no meio de campo, funcões reservadas sobretudo ao meia Valdivia, com ligeira ajuda de Wesley. Bruno César jogaria ao lado do meia chileno, que até agora tem ajudado muito o time no Paulistão. Por isso que a semana é importante. Valdivia e Bruno César precisam se entrosar e se conhecer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.