JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Kleina exalta peso da defesa de Prass para vitória

O treinador admite que seria complicado ter de reverter um placar adverso

AE, Agência Estado

31 de julho de 2013 | 11h32

SÃO PAULO - Embora o Palmeiras tenha goleado o Icasa por 4 a 0, na noite da última terça-feira, no Pacaembu, e reassumido a liderança da Série B do Campeonato Brasileiro, o técnico Gilson Kleina destacou a dificuldade enfrentada pelo time para engrenar no confronto e exaltou o peso que teve a defesa do goleiro Fernando Prass, em cobrança de pênalti de Radamés, aos 23 minutos do primeiro tempo, quando a partida ainda estava empatada por 0 a 0.

O comandante admitiu que seria complicado ter de reverter um placar adverso, apesar da superioridade técnica da equipe palmeirense. "A gente sempre pensa em um Palmeiras forte, independentemente do primeiro ou segundo tempo. Fiz essa análise, era um jogo difícil, de muita correria no primeiro tempo, não deixamos de competir. Mas não estávamos cadenciando o jogo, estávamos entrando no jogo do adversário. O adversário individualizou a marcação. Viviam de contra-ataques e eles tiveram o pênalti. O Fernando Prass foi o divisor para retomarmos a confiança na partida. Se saíssemos atrás, seria muito difícil recuperar", reconheceu o treinador, em entrevista coletiva.

Kleina também destacou que a Série B é um torneio complicado de se jogar e definiu o duelo da última terça como "pegado e corrido", assim como aproveitou para combater qualquer princípio de euforia, visando o duelo de sexta-feira, às 19h30, no Pacaembu, pela 12.ª rodada da competição nacional.

"Dormiremos líder, mas sabemos que na sexta-feira será sério de novo, temos de convencer e ter atitude para bater o Bragantino. Esse campeonato é difícil, equilibrado. Se você analisar, todas as equipes que estavam no G-4 perderam nesta rodada. Temos de respeitar todos os adversários, mas nos impormos", completou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSérie BPalmeirasGilson Kleina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.