Denny Cesare/ Código 19
Denny Cesare/ Código 19

Kleina promete manter estilo de jogo da Ponte contra o Santos no Pacaembu

Partida de volta acontece no dia 10 e técnico afirma que 'é preciso jogar com inteligência'

Estadao Conteudo

02 de abril de 2017 | 11h14

Após conquistar uma importante vitória sobre o Santos, na ida das quartas de final do Paulistão, o técnico Gilson Kleina já começou a fazer planos para a partida da volta, marcada para o dia 10, no Pacaembu, em São Paulo. Kleina disse que "é preciso jogar com inteligência" e adianta que, embora seu time vá tomar cuidados especiais na marcação, "não vai abdicar de seu jeito de atuar".

O treinador considerava, antes do início das quartas, que o empate no estádio Moisés Lucarelli, seria um bom resultado. Por isso mesmo, ele sabe que a vitória ampliou o poder de definição a favor de seu time. Alerta, porém, que vai ser um jogo diferente. "O Santos vai ter uma postura diferente. Vai vir para cima e vamos ter que nos defender bem. Mas não podemos ficar lá atrás desde o primeiro minuto".

Sobre a utilização do meia Renato Cajá só no segundo tempo, o técnico argumentou que "ele chegou aqui na quinta-feira e precisa um pouco mais de adaptação, ganhar mais ritmo". Mas espera que o meia logo esteja em boas condições porque é um grande reforço para nosso elenco".

Esta foi a terceira vitória seguida de Gilson Kleina no comando da Ponte Preta. Estreou superando o São Bento, por 2 a 1, em Sorocaba, depois ganhou em casa do Palmeiras e do Santos, por 1 a 0. "Espero que continue desta forma, mas vamos ter paradas duras pela frente", concluiu.

CONFIANÇA

Os jogadores destacaram o esforço coletivo. "Nós cumprimos tudo que estava programado pelo nosso técnico. Todos estão de parabéns e também nossa torcida, que nos apoiou", disse o atacante William Pottker, que fez seu oitavo gol e isolou-se na artilharia do Paulistão contra, sete gols de Henan (Santo André) e Gilberto (São Paulo).

Pottker considerou o resultado justo, mas lembrou que a vantagem poderia ter sido maior. "Eu mesmo tive duas chances claras para marcar". Considerado um dos melhores em campo, o meia-atacante Clayson estava pronto já para o segundo confronto. "Senti cãibras, mas agora é só recuperar", declarou.

O capitão Fernando Bob, que recebeu o terceiro cartão amarelo e virou desfalque certo para o jogo no Pacaembu, reclamou da arbitragem. "Só fiz uma falta e recebi o cartão amarelo. Não acho que o árbitro agiu com maldade, mas é preciso ter o mesmo critério durante o jogo", afirmou.

Antes do jogo de volta com o Santos, a Ponte Preta vai fazer a sua estreia na Copa Sul-Americana. Na quarta-feira, às 19h15, vai receber em Campinas o Gymnasia y Esgrima, da Argentina. Kleina já avisou que não pretende poupar ninguém, a menos que alguém esteja sem condições físicas.

Tudo o que sabemos sobre:
santos fcfutebolPonte Preta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.