Klinsmann usa técnica inusitada em treino de finalizações

Próximo do jogo com a Argentina, pelas quartas-de-final do Mundial, na sexta-feira, a Alemanha treinou a pontaria... no arco e flecha. Os métodos alternativos do técnico Jürgen Klinsmann, que fez os atletas jogarem handebol dias antes do início do torneio, mais uma vez chamaram a atenção dos repórteres que cobrem a seleção alemã, em Berlim.Enquanto alguns jogadores se enfrentavam no fut-tênis, prática comum no dia-a-dia da equipe, outros, como Miroslav Klose e Michael Ballack, tiveram seus momentos de Robin Hood no hotel onde a delegação está concentrada.?É um esporte que exige bastante concentração e pode ser proveitoso para os atletas. Creio que se divertiram muito?, afirmou meio constrangido o auxiliar-técnico Joaquim Low. O atacante Klose, ao seu lado, achou graça da tentativa de explicação e se esquivou quando questionado sobre seu rendimento nas flechadas. ?Sem comentários?, limitou-se a dizer. O assistente de Klinsmann insistiu: ?Aproveitamos que a seleção (alemã) de arco e flecha nos fez uma visita e pedimos para orientarem os que quisessem participar da atividade?.A culpa de tais constrangimentos é de Klinsmann, que se diverte com isso. Recentemente, após fazer com que o grupo assistisse a uma palestra do técnico de hockey Bernhard Peters, declarou à imprensa que percebia, pela fisionomia dos jogadores durante a explanação, que muitos não conseguiam entender o porquê de estarem ali. Em tempo: o treinador foi convidado com o intuito de falar como se forma uma equipe campeã.Klinsmann defende a tese de que o esporte precisa se modernizar, principalmente na Alemanha. Acredita ainda que o futebol tem muito a aprender com outros esportes. Admira, por exemplo, a marcação e a agilidade nas conclusões do handebol. O fut-tênis (próximo ao futevôlei, mas com uma bola menor), por sua vez, desenvolve a habilidade.Nos treinamentos, os preparadores físicos - norte-americanos trazidos pelo técnico - impões exercícios inéditos para a maior parte dos alemães. ?Exigem bastante da gente e fazemos coisas que nunca tínhamos visto, mas que dão resultado. Estamos 100% fisicamente?, garante o zagueiro Metzelder.PreparativosJoachim Low, antes do constrangimento, contou como serão os preparativos finais para o jogo contra a Argentina, na sexta-feira. ?Primeiro, vamos nos concentrar nos vídeos coletivos. São 40 ou 45 minutos com informações detalhadas do adversário. Pontos fortes, pontos fracos...? Admitiu ser difícil achar defeitos nos argentinos. ?Mas sempre tem uma ou outra coisa que podemos explorar?, emendou.Na quinta-feira pela manhã acontece o treinamento e conversas individuais à tarde. ?Os zagueiros terão de ter atenção com um aspecto diferente de um meio-campista, assim como o atacante tem outras preocupações?, explicou. Já na sexta, a preparação é exclusivamente psicológica. ?Eles têm de ter tranqüilidade para a partida e para se depararem com a imensa torcida que estará ao lado da seleção?, disse Low.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.