Andrew Yates/Reuters
Andrew Yates/Reuters

Klopp compara demissão de Ranieri com eleição de Trump e Brexit

Comandante do Liverpool diz não entender algumas decisões tomadas dentro e fora do futebol

EFE

24 Fevereiro 2017 | 13h34

O alemão Jürgen Klopp, técnico do Liverpool, afirmou nesta sexta-feira que não tem "nem ideia" de por que o Leicester demitiu Claudio Ranieri e disse que "nos últimos meses foram tomadas decisões estranhas, como a votação do Brexit, a eleição de Donald Trump e a demissão de Ranieri".

"Se essas coisas no futebol me surpreendem? Não, nada. Não é só futebol. Na minha opinião, foram tomadas algumas decisões estranhas nestes últimos anos. Olha o 'Brexit' (saída do Reino Unido da União Europeia), Donald Trump, Ranieri. Tenho que entender? Não, e nem tenho ideia de por que o Leicester fez isso", comentou.

As declarações de Klopp foram feitas em entrevista coletiva concedida prévia ao duelo com o Leicester da próxima segunda-feira, pela 26ª rodada do Campeonato Inglês.

"Todo o mundo vê a situação em que o Leicester estava no Campeonato Inglês e na Liga dos Campeões. (Ranieri) é uma pessoa muito especial, um homem muito simpático", comentou Klopp.

O Leicester anunciou na quinta-feira a demissão de Claudio Ranieri, nove meses após a inédita conquista do título do Campeonato Inglês.

Ranieri, que chegou ao clube inglês em julho de 2015 para substituir Nigel Pearson, conseguiu o impossível ao ser campeão inglês no primeiro ano no comando de uma equipe que tinha escapado do rebaixamento meses antes.

No entanto, após uma primeira temporada dos sonhos, na qual o Leicester conquistou o primeiro título do Campeonato Inglês nos 133 anos de história do clube, os resultados não corresponderam na atual temporada.

Apesar de brilhar na Liga dos Campeões, onde o clube se classificou com folga para as oitavas de final - perdeu por 2 a 1 para o Sevilla na partida ida na quarta-feira -, a situação no Inglês é crítica, com a 17ª posição, um ponto acima da zona de rebaixamento. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.