Kerstin Joensson/AP
Kerstin Joensson/AP

Klopp minimiza 5 a 0 de 2018 e descarta facilidade para Liverpool contra o Porto

Técnico do Liverpool nega favoritismo diante de time português em encontro pelas quartas de final da Liga dos Campeões

Redação, Estadão Conteúdo

15 de março de 2019 | 12h34

Pelo segundo ano consecutivo, Liverpool e Porto se encontrarão na fase final da Liga dos Campeões. O sorteio das quartas de final, realizado nesta sexta-feira na sede da Uefa, em Nyon, colocou as equipes novamente frente a frente. Em 2018, o time inglês não teve qualquer dificuldade para atropelar o adversário nas oitavas com uma goleada por 5 a 0 fora de casa, seguida de um empate sem gols.

"O que posso dizer? É o Porto e nós já jogamos lá, sabemos quão bons tivemos que ser no ano passado", declarou o técnico do Liverpool, Jürgen Klopp. "O resultado no fim foi estranho. Foi muito bom para nós, claro, mas foi estranho. Na segunda partida, vimos a personalidade do Porto e a qualidade que tem."

Klopp também descartou que o Liverpool tenha caído com o melhor adversário possível, mesmo em um sorteio com clubes como Barcelona, Manchester City, Juventus, entre outros. "Eu não poderia ser mais contrário a esta ideia de que é o melhor sorteio para nós, porque não é. É um adversário que nos exigirá preparação e é só nisso que estamos pensando."

Em busca de sua segunda final de Liga dos Campeões seguida - em 2018, perdeu para o Real Madrid -, o Liverpool fará o primeiro jogo em casa, no dia 9 de abril, e decidirá a vaga em Portugal, dia 17. Se avançar, encarará na semifinal Manchester United ou Barcelona, mas Klopp garantiu que o pensamento está todo no Porto.

"A primeira coisa a fazer é certificar de que todos respeitam o adversário da forma correta. Vamos saber mais sobre a qualidade do Porto e, então, jogar a partida. Nossos torcedores são brilhantes nisso, em respeitar o adversário. O Porto não estava na minha 'lista de desejos', mas agora é nosso adversário e temos que enfrentá-lo", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.