Carl Recine/Reuters
Carl Recine/Reuters

Klopp pede respeito ao Porto na Liga dos Campeões: 'Não queria pegá-los'

Técnico do Liverpool descarta facilidade no confronto mesmo depois de vitória por 5 a 0 no ano passado

Redação, Estadão Conteúdo

08 de abril de 2019 | 12h14

O técnico do Liverpool, Jürgen Klopp, foi bem claro nesta segunda-feira que é preciso ter muito respeito por parte do seu time ao Porto, adversário desta terça pela rodada de ida das quartas de final da Liga dos Campeões da Europa, no estádio Anfield Road, em Liverpool. O alemão não quer ouvir falar em facilidades no duelo por conta da goleada de 5 a 0 aplicada em Portugal pelos ingleses nas oitavas de final da edição passada.

"Esse foi um jogo estranho, fomos muito eficazes. O Porto entrou bem e depois começamos a marcar os gols. O Porto tem agora mais experiência e pode usar os 5 a 0 do ano passado como fator motivacional", disse Klopp em entrevista coletiva nesta segunda-feira. "Conheço bem os meus jogadores, eles estão focados 100% na tarefa que temos pela frente, que não tem nada a ver com o ano passado. Temos de mostrar respeito, mas não em excesso, temos de ser fortes e eficazes", assumiu.

Sobre o Porto, o técnico diz que "há muito a fazer contra uma equipe muito forte". "Eles pressionam muito, são muito organizados, fisicamente muito fortes, com criatividade no meio. Há uma expectativa muito grande e espero que estejamos preparados", disse Klopp, assumindo que o duelo desta terça-feira "pode ser um jogo louco", pois "o Porto é muito bom em pressionar e contra-atacar".

O respeito de Klopp pelos portugueses é tamanho que ressaltou que não gostaria de enfrentá-los agora. "Disseram que todos os times queriam o Porto. Eu não queria o Porto! Olha-se muito para números, para equipes... mas há muito mais do que isso. E quando se analisa o Porto... eles merecem estar aqui, passaram de uma forma espetacular. São experientes, grande equipe, estão lutando pelo título (nacional) com o Benfica. Têm (goleiro espanhol) Casillas... é um jogo diferente para nós, não é o do ano passado, mas iremos tentar fazer o mesmo", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.