Oli Scarff/AFP
Oli Scarff/AFP

Entenda a volta da torcida na Inglaterra e como Klopp está animado com jogo do Liverpool com público

Atual campeão inglês vai enfrentar o Wolverhampton com a presença de 2 mil fãs no Anfield, neste domingo

Redação, Estadao Conteudo

04 de dezembro de 2020 | 12h23

Pela primeira vez em quase nove meses, o Liverpool vai se apresentar em campo diante de seus torcedores. A partida contra o Wolverhampton, pelo Campeonato Inglês, terá a presença de 2 mil fãs do tradicional time inglês nas arquibancadas do Anfield, no domingo. O técnico Jürgen Klopp se diz ansioso para voltar a ter contato com os torcedores, ainda que a certa distância.

"Depois de um intervalo tão grande, acho que nossos torcedores vão estar na melhor forma possível. Como sempre dissemos, quando você vai ao Anfield, não é importante quantos serão, mas quão grande pode ser a sua influência lá dentro", comentou o treinador nesta sexta-feira.

Klopp, contudo, admitiu receio por eventuais cobranças da torcida. "Eu espero que seja uma grande experiência para todos nós, mas não sei... Quando era jogador, joguei muitas vezes diante de apenas 2 mil pessoas. E eles nem sempre estavam no melhor dos humores. Dois mil podem criar um clima ruim no estádio, lembro disso muito bem."

O treinador disse também que se este grupo estiver bem motivado, ele poderá ajudar muito a equipe, que não joga com torcida desde o dia 11 de março. "Espero que dois mil possam ter muita influência em campo, que eles possam nos ajudar. Espero que possam curtir o jogo e estou muito feliz por tê-los aqui de volta e vamos dar o nosso melhor."

O técnico do Liverpool afirmou que os jogadores sentem falta da atmosfera criada pela torcida. "Tudo tem sido mais difícil sem torcedores, absolutamente tudo. Mas em algum momento nós paramos de pensar nisso porque você não pode mudar isso. Então, não faz sentido entrar toda vez num estádio vazio e pensar: 'oh, meu Deus, ainda vazio!"

Na quinta, o Arsenal protagonizou o primeiro evento oficial esportivo de alto nível na Inglaterra a contar com torcida desde 11 de março, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou oficialmente a pandemia. No total, os fãs do Arsenal precisaram esperar 271 dias para poderem rever seu time, em jogo da Liga Europa - vitória sobre o Rapid Viena por 4 a 1.

ENTENDA COMO

A Grã-Bretanha é o local com maior número de mortes por covid-19 na Europa, superando 60 mil. Foram 414 óbitos somente na quinta-feira. Nas arquibancadas do Emirates Stadium, os torcedores se posicionaram com distanciamento social, com intervalos de dois a três assentos entre eles, formando algo parecido com um mosaico.

Os torcedores precisam estar com alguma proteção que cubra nariz e boca e são recomendados a não abraçar ou cumprimentar seu colega do lado. Essa recomendação também vale para os cânticos de apoio. Eles devem ser evitados ao máximo em decorrência do aumento do raio de propagação de partículas de saliva. O limite de público é de 4 mil pessoas, mas isso pode variar de acordo com os jogos. Tudo vai depender da fase epidemiológica que a região do estádio se encontra. Londres, por exemplo, está na fase 3. Lá, as partidass podem receber até 2 mil pessoas.

SUBSTITUIÇÕES

Na mesma entrevista pré-jogo, Klopp criticou a organização do Campeonato Inglês por não ter mantido as cinco substituições que os times vinham fazendo a cada jogo na temporada passada. O aumento de três para cinco trocas havia sido motivado pela pandemia, uma vez que os jogadores estariam voltando de um período longo sem jogos, o que poderia gerar mais lesões. Além disso, as equipes passaram a enfrentar uma "maratona" de partidas porque o calendário ficou atrasado.

"Não vamos parar de lutar por isso (cinco substituições) porque é o correto. Quando ouvimos críticas de que não fazemos trocas suficientes nos jogos é porque temos apenas três substituições e alguém sempre pode se machucar no fim de uma partida. Não podemos fazer todas as trocas de uma vez porque corremos o risco de terminar o jogo com dez ou nove jogadores em campo. As cinco mudanças são a opção correta."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.