Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
AFP
AFP

Koeman admite desejo de treinar Barcelona, mas adverte: '100% só quando assinar'

Treinador holandês é o nome mais cotado para assumir a vaga deixada por Quique Setién

Redação, Estadão Conteúdo

18 de agosto de 2020 | 09h09

Um dia depois de anunciar oficialmente a demissão de Quique Setién, o Barcelona está muito perto de acertar com seu novo técnico. O holandês Ronald Koeman é o grande favorito para assumir o comando do clube catalão e o próprio treinador de 57 anos, atualmente na seleção de seu país, já admitiu esse desejo, apesar de ressaltar que nada está acertado até agora.

"Um acordo é definitivo quando as duas partes assinam o contrato. Só então é 100% seguro", disse Koeman na saída da sede da Real Associação de Futebol dos Países Baixos (KNVB, na sigla em holandês) em entrevista à TV pública holandesa NOS. "Não posso dizer nada. Ficaria muito feliz (em assumir o Barcelona), mas não há uma claridade total. Por isso temos que esperar".

De acordo com informações da imprensa holandesa, o presidente do Barcelona, Josep Maria Bartomeu, conversou com Koeman neste final de semana já para analisar os problemas da equipe e saber quais as ambições do técnico. Para acertar com o holandês, o clube catalão terá que pagar uma multa rescisória à KNVB, já que o seu contrato na seleção vai até junho de 2022.

No Barcelona, a expectativa é que Koeman assine um compromisso por duas temporadas, com opção de uma terceira no caso de bons resultados em campo. O ex-zagueiro holandês fez história no clube catalão, onde jogou entre 1989 e 1995, tendo marcado 87 gols em 264 jogos.

Esta não é a primeira vez que Koeman é associado ao cargo de técnico do Barcelona. O treinador já foi auxiliar em 1999 e, deste então, não voltou ao clube. Em sua carreira depois de se aposentar como jogador, já comandou Vitesse, Ajax, PSV Eindhoven, Benfica, AZ Alkmaar, Feyenoord, Southampton e Everton, antes de assumir o cargo na seleção holandesa em 2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.