Sergio Perez/Reuters
Sergio Perez/Reuters

Koeman é demitido do Barcelona após derrota para o Rayo Vallecano

Treinador vinha sendo pressionado por fraco desempenho da equipe catalã no Campeonato Espanhol e na Liga dos Campeões

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2021 | 19h33

Ronald Koeman não é mais técnico do Barcelona. A derrota para o Rayo Vallecano, nesta quarta-feira, pelo Campeonato Espanhol, pôs fim ao trabalho do técnico holandês na equipe catalã. Koeman estava pressionado pelo mau desempenho do time nos torneios nacionais e na Liga dos Campeões.

As especulações sobre a demissão do treinador ganharam força há mais de um mês. No entanto, ele foi deixado no cargo por mais algumas rodadas dada a falta de opções no mercado para substituí-lo. No fim de semana, a derrota para o Real Madrid no clássico deixou sua situação insustentável e uma nova derrota levaria à demissão.

No Campeonato Espanhol, o Barcelona ocupa a modesta nona posição, com 15 pontos, com quatro vitórias, três empates e três derrotas. Pela Liga dos Campeões, a situação também é complicada, mas os torcedores ainda alimentam a expectativa de avançar às oitavas de final. No Grupo E, restando três jogos, a equipe catalã está em terceiro lugar, com três pontos. A liderança é do Bayern de Munique, que tem nove. O Benfica é o segundo, com quatro pontos.

Ronald Koeman foi jogador do Barcelona entre 1989 e 1995 e iniciou a carreira de treinador no Vitesse, em 2000. Após passagens pelo futebol holandês e inglês, foi chamado para comandar a seleção da Holanda. Uma das cláusulas de seu contrato com a seleção era um possível convite dos catalães para ser treinador da equipe. E ele veio em agosto de 2020.

O treinador assumiu o Barcelona com uma ingrata missão, logo após a eliminação da Liga dos Campeões, com uma goleada vexatória para o Bayern de Munique, por 8 a 2. Mesmo em crise, o time catalão conquistou a Copa do Rei na temporada seguinte. Porém, a saída do craque Lionel Messi para o Paris Saint-Germain piorou a situação e veio acompanhada de mau desempenho e falta de resultados na atual temporada.

Na passagem pelo Barcelona, Koeman também acumulou desafetos. O principal deles foi Luis Suárez. O uruguaio se transferiu para o Atlético de Madrid após sua continuidade ser vetada pelo holandês. Suárez treinou em separado e se sentiu desrespeitado dada sua trajetória com muitos títulos no clube.

Em sua passagem pela Espanha, o técnico totalizou 63 partidas, com 37 vitórias, 11 empates e 15 derrotas. Xavi Hernández, atualmente no Al-Sadd, do Catar, é apontado como o favorito para assumir o comando técnico. Os nomes de Andrea Pirlo, ex-Juventus, e Marcelo Gallardo, do River Plate, também são espculados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.