Reprodução Site Oficial Bayern München
Reprodução Site Oficial Bayern München

Lahm e Rummenigge exibem confiança de que Bayern poderá reverter vantagem do Real

Time espanhol venceu o primeiro duelo por 2 a 1, na Alemanha

Estadao Conteudo

17 de abril de 2017 | 11h58

O Bayern de Munique vacilou na quarta-feira passada, quando estava vencendo o Real Madrid por 1 a 0 e viu o chileno Vidal desperdiçar um pênalti no finalzinho do primeiro tempo, na Allianz Arena, onde na etapa derradeira acabou levando a virada por 2 a 1 no confronto de ida das quartas de final da Liga dos Campeões. Com isso, o time alemão precisará vencer por dois gols de diferença nesta terça, a partir das 15h45 (de Brasília), no Santiago Bernabéu, no duelo de volta do mata-mata para seguir vivo na luta pelo título da competição continental.

O triunfo no duelo de ida aumentou o favoritismo da equipe espanhola na luta por uma vaga na semifinal, mas nesta segunda-feira o experiente Philipp Lahm, ídolo do Bayern, e o presidente do clube, Karl-Heinz Rummenigge, exibiram otimismo na classificação do time alemão ao projetarem o duelo na capital espanhola.

Com a experiência de quem já disputou 111 partidas de Liga dos Campeões, recorde de participações entre jogadores alemães, o lateral de 33 anos ressaltou: "Nós podemos vencer em Madri". "Nós temos um time forte e sabemos que podemos marcar gols fora de casa", disse o astro, que lembrou ter grandes memórias como jogador atuando no Santiago Bernabéu, onde ajudou o Bayern a avançar à final da Liga dos Campeões em 2012, onde o Real foi eliminado na disputa por pênaltis após vencer o duelo, encerrado apenas na prorrogação, por 2 a 1 naquela ocasião.

"Será legal jogar no Bernabéu de novo. A atmosfera lá é sempre ótima. Eu tive muitas experiências lá", afirmou Lahm, que já anunciou que irá se aposentar ao final desta temporada do futebol europeu e, por isso, fará a sua última partida como jogador no estádio do Real nesta terça-feira.

No lendário Santiago Bernabéu, o Bayern também sofreu uma derrota por 1 a 0 no duelo de ida das semifinais da edição 2013/2014 da Liga dos Campeões, antes de amargar uma surpreendente goleada por 4 a 0 no confronto de volta. Na época, o técnico do Real era Carlo Ancelotti, hoje treinador do Bayern, que então tinha Zidane, atual comandante do time espanhol, como seu auxiliar.

Caso o Bayern triunfe nesta terça, Lahm jogará pela 13ª vez uma semifinal de Liga dos Campeões, sendo que ele já disputou por quatro oportunidades a decisão da competição. E agora o time alemão viajou para Madri com 22 jogadores reforçado pelas voltas de Boateng, Hummels e Lewandowski, que ficaram foram do duelo de ida contra o Real por estarem lesionados e deverão ficar à disposição de Ancelotti para o duelo.

Até por isso, Rummenigge é outro que confia na força do Bayern para reverter a vantagem do Real. "O Real Madrid são pesados favoritos depois do jogo de ida, mas esta foi apenas a metade destas quartas de final", lembrou o dirigente, para depois ressaltar que o time de Munique tem sempre mostrado "um desejo excepcional" por triunfar neste tipo de jogos, o que dá otimismo para acreditar na classificação às semifinais.

Entretanto, o ex-jogador da seleção alemã ressaltou que o Bayern deve ser "comprometido e corajoso, mas não impaciente" em sua missão de fazer ao menos dois gols em Madri. Ele admitiu ser difícil dizer se o time poderá reverter o placar de 2 a 1 obtido pelo Real no jogo de ida, mas enfatizou: "Nós iremos lutar e dar tudo o que temos. Afinal, aqueles que lutam podem perder, mas aqueles que não lutam sempre perdem".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.