Lapola comemora prisão do ?clone?

O diretor de Futebol do Palmeiras, Sebastião Lapola, tinha bons motivos para passar um domingo sossegado e feliz com a família. No sábado, a equipe havia vencido o Americano por 2 a 0, em Campos, disparando na liderança do Torneio Rio-São Paulo com 22 pontos conquistados em 9 jogos disputados. Antes do jogo, recebeu a notícia da polícia, da prisão do impostor, que estava fazendo negócios com outros clubes usando o seu nome e o do Palmeiras. ?Desde dezembro ele estava dando golpe?, disse Lapola. ?Depois que eu registrei um boletim de ocorrência no 7º Distrito Policial (Lapa), a polícia ficou na captura do indivíduo, conhecido por Elvis, que dizia ter sido jogador de futebol no interior.? Lapola explicou que o ?clone?, usando seu nome, entrava em contatos com clubes de outros Estados oferecendo jogadores jovens, que não seriam aproveitados pelo Palmeiras. ?Ele pedia de R$ 100,00 a 500,00 para cobrir as despesas com a viagem do atleta. Como a negociação não se concretizava, os dirigentes vinham me cobrar?, disse Lapola. ?Mas a polícia, por meio dos dados da conta bancária, na qual eram feitos os depósitos, chegou ao indivíduo. Felizmente, estamos livres desse problema?, disse o dirigente do Palmeuiras, que durante a semana ficou agitado com a denúncia do roubo na sede social, e da ameaça de seqüestro ao presidente do Palmeiras, Mustafá Contursi. O time volta a jogar domingo contra a Portuguesa, em São José do Rio Preto. Vanderlei Luxemburgo, após a vitória sobre o Americano, disse que o time está perto de garantir a classificação para as semifinais.

Agencia Estado,

10 Março 2002 | 19h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.