Lucas Uebel|Divulgação
Luan, do Grêmio, é um dos favoritos a aparecer na convocação final Lucas Uebel|Divulgação

Largada do Brasileiro abre disputa final por vaga olímpica

Rodadas iniciais podem fazer jogadores se garantirem nos Jogos do Rio

Ciro Campos, Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

14 de maio de 2016 | 17h00

O Campeonato Brasileiro começa neste final de semana com a corrida entre os clubes pelo título e também para alguns jogadores que sonham fazer parte da seleção olímpica e entrar para a história por conquistar a inédita medalha de ouro no futebol para o País. Os jovens jogadores de até 23 anos têm até 14 rodadas para convencer Dunga e a comissão técnica que merecem estar entre 0s 18 convocados para os Jogos.

A convocação da seleção olímpica não tem data definida, mas deve acontecer na primeira quinzena de julho. É tempo de sobra para o técnico Dunga tirar suas últimas dúvidas de quem serão os 18 escolhidos.

O treinador já chamou sete olímpicos para a disputa da Copa América, que devem formar a base de seu time no Rio. Ele também vai utilizar os três atletas com idade acima dos 23 anos - um deles será Neymar - e assim, sobram oito vagas para, pelo menos, 17 atletas que jogam no Brasil e mais sete no exterior.

A lista feita pelo Estado tem como base as últimas convocações do time sub-23. Alguns deles são nomes praticamente certos, como Gabriel Jesus, do Palmeiras. "O pessoal da Seleção já me conhece e acompanha meu trabalho no Palmeiras, então quanto mais eu conseguir desenvolver um bom futebol, mais tenho chance de ser lembrado para disputar a Olimpíada", disse o jogador, de 19 anos, e que apareceu na pré-lista da Copa América.

O que pode fazer a diferença para os garotos que atuam no futebol brasileiro na comparação com os que atuam no exterior é que eles estarão em atividade até o dia da convocação, enquanto seus concorrentes já estarão de férias. Muitos deles, inclusive, tem atuado pouco em seus clubes.

As exceções entre os candidatos do futebol nacional são o goleiro Matheus Vidotto e o atacante Luciano, ambos do Corinthians, que não têm sido utilizados por Tite.

O atacante Luan, do Grêmio, outro que tem boas chances de ser convocado, acredita que o ideal é focar no clube. Caso consiga ir bem no Brasileiro, ser convocado para a Olimpíada será natural. "A gente fica na expectativa, mas o objetivo é se manter bem, em alto rendimento, para que a convocação seja consequência", disse o jogador, que em 11 jogos pelo time olímpico, fez dez gols.

Alguns treinadores devem sofrer um pouco mais com as convocações, como, por exemplo, Dorival Júnior. O Santos já ficará sem Gabriel, Ricardo Oliveira e Lucas Lima na Copa América. Pouco depois, pode perder Gabriel novamente, além de Zeca e Thiago Maia.

REFORÇO

Ao contrário de outras edições da Olimpíada, o Brasil deve chegar com força máxima. Tanto que Dunga preferiu ter Neymar nesta competição em vez da Copa América. E para conseguir ter jovens talentos, a comissão técnica fez um árduo trabalho de garimpagem em busca de jogadores pouco conhecidos que poderiam acabar reforçando países concorrentes.

"Sabemos que eles observam tudo, acompanham muito de perto. É uma comissão experiente", comentou Luan. O trabalho incluiu monitorar atletas com possíveis dupla nacionalidades, como o meia Andreas Pereira, nascido na Bélgica. No ciclo pré-Olimpíada a seleção realizou amistosos em datas Fifa para entrosar o time e formar uma base. Outro ponto positivo é que grande parte dos integrantes da seleção olímpica como titular em suas equipes.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Auxiliar de Dunga vai monitorar jogos e sugerir convocações

Rogério Micale é quem acompanha o time olímpico desde o ano passado

Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

14 de maio de 2016 | 17h00

Muito do que se vir em campo da seleção brasileira durante os Jogos Olímpicos terá como responsável Rogério Micale. Ele treina o time sub-23 desde o ano passado e foi responsável por montar a equipe, enquanto o técnico Dunga se preocupava com o time principal.

Com todo seu conhecimento sobre os jovens brasileiros, nada mais normal do que fazer parte da comissão técnica durante a competição, junto com o preparador físico do sub-23, Marcos Seixas. Muitas vezes, a opinião de Micale poderá ser importante tanto na convocação quanto durante os jogos.

Um exemplo do conhecimento de Micale, é que ele sugeriu a Dunga que não desperdice uma vaga dos jogadores acima dos 23 anos com um goleiro. Ele acredita que Ederson, do Benfica, tem condições de ser o titular durante os Jogos. Para conhecer melhor o jogador, Dunga o convocou para a Copa América e pode seguir o conselho do auxiliar.

"Ele tem potencial, capacidade e uma segurança muito grande. É um goleiro em que temos toda a confiança, até pela sequência excelente que tem tido no momento", disse Micale, para a Rádio Renascença, de Portugal, quando perguntado sobre a convocação de Ederson.

Micale também é responsável por comandar a seleção brasileira sub-20. Na quinta-feira, ele viajou para a Coreia do Sul, onde dirige o time no Torneio de Suwon, que acontece entre os dias 18 e 22 de maio.

Além do Brasil, participam os donos da casa, a França e o Japão. Após o torneio, Rogério Micale deverá focar todas as atenções na Olimpíada. O Brasil estreia dia 4 de agosto, contra o África do Sul, em Brasília. Depois enfrenta o Iraque, dia 7, e a Dinamarca, dia 10.

ÚLTIMAS DÚVIDAS

Embora não vá acompanhar a primeira e a segunda rodada do Campeonato Brasileiro, ele já tem algumas recomendações e indicações de quem Dunga poderá convocar. Entretanto, ainda existem dúvidas que podem ser sanadas com o desempenho no Brasileiro.

Micale tem uma vasta experiência no trabalho com categorias de base. Ele iniciou a carreira em 1999, no comando da Portuguesa Londrinense. Depois passou por ADAP Jacarezinho, Marcílio Dias, ADAP Campo Mourão, Londrina, Portuguesa Londrinense, Figueirense, Grêmio Prudente e Atlético-MG, de onde saiu em 2015 para assumir as seleções sub-20 e sub-23, substituindo Alexandre Gallo.

Em seu currículo profissional consta o título da Copa São Paulo de juniores em 2008 pelo Figueirense. Na seleção brasileira, foi vice-campeão mundial sub-20 no ano passado, na Nova Zelândia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Jogos do Rio 'expulsam' times cariocas da cidade durante a temporada

Equipes devem jogar em Volta Redonda ou até em Manaus

Ciro Campos, Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

14 de maio de 2016 | 17h00

Além da particularidade de ser uma edição do Campeonato Brasileiro onde algumas rodadas serão realizadas durante a Copa América e os Jogos Olímpicos, outro ponto destacável é que o fato de a Olimpíada ser realizada no Brasil vai obrigar algumas equipes a emprestar seus estádios. Com isso, terão de jogar fora de casa, mesmo sendo mandantes.

Quem mais sofrerá com isso são os cariocas Flamengo, Fluminense e Botafogo, que nas três primeiras rodadas, jogarão no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda. 

Depois, o Tricolor vai mandar seus jogos no estádio do América, o Giulite Coutinho, o Botafogo jogará no estádio Luso Brasileiro, da Portuguesa. O Flamengo permanecerá em Volta Redonda.

O Corinthians também ficará cerca de um mês sem o Itaquerão. A equipe vai jogar no Pacaembu sem cobrança de aluguel por parte da Prefeitura. Os outros estádios a ser utilizados nos Jogos serão o Mané Garrincha, a Arena da Amazônia e a Fonte Nova.

Os clubes também terão problemas para treinar. No Rio, o Ninho do Urubu, onde o Flamengo treina, deverá receber a Argentina. Em São Paulo, a Academia de Futebol do Palmeiras e o CT do São Paulo serão utilizados por algumas seleções.

Além dos mandos de campo, outra preocupação dos clubes é com a qualidade do gramado, assunto tão discutido no ano passado. Apesar da desconfiança, a World Sports, empresa responsável por alguns dos principais campos do País, promete "tapetes" de primeiro mundo durante o Brasileiro.

"Após a Copa do Mundo, novas tecnologias vieram para o Brasil, e isso colocou ao alcance de todos a oportunidade de ter um gramado padrão internacional", explicou Roberto Gomide, presidente da empresa. 

Durante as primeiras rodadas, os estádios da região Sul e Sudeste passarão por mudanças no gramado, já que está sendo feito o plantio da grama de inverno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.