Matthew Childs/Reuters
Matthew Childs/Reuters

Larsson celebra volta à Suécia após suspensão: 'Assistir ao jogo é mais difícil'

Meio-campista esteve fora do jogo diante da Suíça, vencido por 1 a 0 na última terça-feira

Estadão Conteúdo

04 Julho 2018 | 13h54

Suspenso na vitória da Suécia por 1 a 0 sobre a Suíça, pelas oitavas de final da Copa do Mundo da Rússia, na última terça-feira, em São Petersburgo, o meio-campista Sebastian Larsson garantiu que é mais difícil assistir aos jogos do que disputá-los. O jogador deve voltar ao time titular contra a Inglaterra, às 11 horas (de Brasília) deste sábado, em Samara, pelas quartas de final do torneio.

+ Copa do Mundo entra na reta final com choques de estilos de jogo

+ Copa repete 2006 ao contar só com sul-americanos e europeus nas quartas

+ Atacante sueco descarta comparações com time de 1994: 'Queremos o máximo'

"Estava nervoso. Você sabe que, quando se está do outro lado, é muito mais difícil do que jogar. Fora de campo, você não pode estar envolvido em tudo. Mas estou muito orgulhoso dos meus companheiros, por como eles disputaram a partida de acordo com o plano que tínhamos e acho que merecemos continuar na competição", afirmou Larsson em entrevista ao site da Associação Sueca de Futebol, publicada nesta quarta-feira.

Aos 33 anos, o jogador é convocado para defender a seleção sueca desde 2008, mas nunca havia disputado uma Copa do Mundo. A Suécia não se classificou para as edições de 2010 e 2014 do Mundial. Assim, restou ao meio-campista participar das Eurocopas de 2008, 2012 e 2016.

 

Outro jejum que a Suécia quebrou foi o de chegar às quartas de final de uma Copa do Mundo pela primeira vez desde 1994, ano em que a seleção sueca foi eliminada pelo Brasil na semifinal e derrotou a Bulgária na disputa de terceiro lugar nos Estados Unidos. Os suecos caíram nas oitavas de final em 2002 e 2006, assim como também não se classificaram para o Mundial de 1998.

"É incrível. Estar nas quartas de final de uma Copa do Mundo é um grande desafio por si só. Ainda mais contra a Inglaterra, onde vivi os últimos 17 anos. Será muito inspirador", comentou Larsson, que se profissionalizou no Arsenal e depois defendeu Birmingham City, Sunderland e Hull City, todos clubes ingleses.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.