Laterais da seleção revelam caminho para bater Espanha

Os laterais da seleção brasileira enfrentarão velhos conhecidos na final deste domingo no Maracanã. Daniel Alves joga no Barcelona, equipe que tem nove jogadores na seleção da Espanha - sete deles titulares -, desde 2008. Marcelo está no Real Madrid, time com quatro convocados pelo técnico Vicente del Bosque, três dos quais titulares, desde 2007. Ou seja, conhecem bem os rivais da decisão da Copa das Confederações - e também são bastante conhecidos por eles. Podem passar, portanto, dicas importantes para Felipão e seus companheiros, mas não fazem segredos sobre o óbvio: o Brasil vai ter de jogar muita bola para ficar com o título.

ALMIR LEITE E SÍLVIO BARSETTI, Agência Estado

29 de junho de 2013 | 08h33

Na sexta-feira, durante o treino da seleção brasileira em São Januário, Daniel Alves conversou longamente com Felipão. No papo de quase meia hora, ambos gesticulavam bastante virados para o campo, dando a entender que discutiam posicionamento.

Daniel Alves, companheiro no Barcelona de Piqué, Jordi Alba, Busquets, Iniesta, Xavi, Fàbregas, Pedro, Valdés e David Villa, não destaca nenhum deles individualmente. Entende que a seleção espanhola é forte como equipe. "A maior virtude da Espanha é que cada jogador conhece as qualidades dos outros", avaliou.

O lateral-direito disse ter a receita para o Brasil quebrar a série de 29 jogos da Espanha de invencibilidade em competições oficiais. "Teremos de jogar com intensidade e coragem", recomendou Daniel Alves. "E temos de manter a bola, não podemos dar a posse para a Espanha, senão vamos correr muito atrás dela."

Ele admitiu pequena vantagem da Espanha, pelo fato de ter um time entrosado e que conserva a base há vários anos, ponderando, porém, que em uma decisão não há favoritos. E o desgaste dos jogadores da Espanha, em fim de temporada como muitos dos brasileiros, mas mais desgastados pelo calor e principalmente pela árdua partida da semifinal contra a Itália, decidida apenas nos pênaltis, pode jogar a favor do Brasil.

Marcelo preferiu, nos últimos dias, falar menos sobre a Espanha do que o companheiro que joga na outra lateral. Entendia que a seleção brasileira deveria se concentrar, primeiro, nos adversários que apareciam pelo caminho. O lateral-esquerdo chegou até a se irritar com as perguntas sobre o time espanhol que eram feitas a ele ainda na primeira fase da Copa das Confederações. Mesmo assim, acabou dando boas dicas sobre os rivais.

O lateral-esquerdo revelou, por exemplo, que o goleiro Casillas, seu companheiro no Real Madrid, falou com ele várias vezes sobre o desejo de enfrentar o Brasil. "Ele me falava que tinha essa vontade. E posso garantir que todos os espanhóis respeitam muito a nossa seleção", disse Marcelo, que elogiou bastante a equipe espanhola e alertou que o ponto forte é ter vários jogadores capazes de decidir uma partida.

Daniel Alves e Marcelo também foram elogiados por técnico da Espanha. "Os dois laterais brasileiros, que jogam na Espanha, são extraordinários, podem mudar a cara de uma partida", afirmou Vicente del Bosque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.