Christophe Simon/AFP
Christophe Simon/AFP

Lateral da Costa Rica quer vencer em despedida contra Suíça: 'Jogar nosso melhor'

Eliminados precocemente da Copa do Mundo, costarriquenhos enfrentam os suíços pelo grupo do Brasil

Estadão Conteúdo

25 Junho 2018 | 18h26

Depois de uma campanha surpreendente na Copa do Mundo de 2014, em que chegou às quartas de final e saiu da competição invicta, após perder nos pênaltis para a Holanda, a Costa Rica entra em campo nesta quarta-feira, às 15 horas (de Brasília), em Nijni Novgorod, para se despedir com dignidade do Mundial da Rússia. Eliminados de maneira precoce, os costarriquenhos enfrentam a Suíça com o objetivo de ao menos fazer um gol nesta edição do Mundial da Rússia.

+ Zagueiro da Costa Rica pede vitória sobre Suíça por 'despedida digna' da Copa

+ Costarriquenhos relatam tristeza, mas tentam 'virar a chave' após eliminação

"Estamos esperando um jogo muito complicado", disse o lateral-direito Cristian Gamboa. "A Suíça está disputando a classificação e vai dar tudo pelo resultado que precisa. Nós queremos continuar mostrando o nosso jogo, não há pressão. Nós vamos tentar ganhar, jogar o nosso melhor e é uma questão de orgulho. Queremos conquistar três pontos para nós e para a Costa Rica".

Até agora, pelo Grupo E, a Costa Rica tem duas derrotas: 1 a 0 para a Sérvia, na estreia, e 2 a 0 para o Brasil, na segunda rodada. Apesar de o principal nome do time ser o goleiro Keylor Navas, do Real Madrid, havia expectativa de repetir o bom desempenho de quatro anos atrás.

O jogo contra os suíços promete ser duro, já que o adversário precisa vencer para não depender do resultado da partida entre Brasil e Sérvia, no mesmo dia e horário, em Moscou.

A equipe brasileira lidera o grupo com quatro pontos, mesma pontuação dos suíços. A Sérvia tem três, em terceiro lugar, ainda na briga por uma vaga às oitavas de final. E a Costa Rica quer colocar água no chope da Suíça para deixar a Rússia com ao menos uma vitória.

 

Costarriquenhos e suíços já se enfrentaram duas vezes na história, ambas em amistosos na Europa: uma vitória para a Suíça, por 1 a 0, em 2006, e um triunfo para a Costa Rica, por 2 a 0, em 2010.

A equipe da América Central viaja de São Petersburgo, onde treina, para Nijni Novgorod, local da partida, nesta terça-feira. Na equipe da Costa Rica, há um jogador que joga na Suíça: o volante Yeltsin Tejeda, do Lausanne. Ele entrou no segundo tempo do jogo do Brasil, mas não teve sorte. Aos 37 minutos, substituiu Guzmán. Aos 45, Phillippe Coutinho abriu o placar para os brasileiros. Aos 50, Tejeda tomou uma lambreta de Neymar na ponta esquerda. E, aos 51, o atacante fez 2 a 0 para o Brasil.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.