Lateral Daniel Alves cita Cafu como seu ídolo no futebol

Jogador do Barcelona diz ser um apaixonado pelo futebol e afirma que pretende se firmar na seleção

Entrevista com

EFE,

31 de julho de 2008 | 15h19

O lateral-direito brasileiro Daniel Alves, do Barcelona, da Espanha, disse que é "um apaixonado pelo futebol", lembrou o começo difícil no esporte europeu e citou o ex-capitão da seleção Cafu como referência em seu estilo de jogo."Ao contrário do que as pessoas pensam sempre gostei de jogar de lateral. Já atuei como atacante, meia, mas quis esta posição por causa de Cafu, minha referência", declarou Daniel Alves, considerado na Europa um jogador versátil e de grande potencial ofensivo."Outras crianças se espelhavam em Romário, Ronaldo ou Rivaldo. Eu, em Cafu", afirmou o lateral, por quem o Barcelona pagou 29,5 milhões de euros.O brasileiro se define como um ambicioso e apaixonado pela bola. "Sou mais que um jogador, sou um fanático pelo futebol. Assisto pela TV, acompanho partidas de crianças na rua. É impossível deixar de amar o esporte", declarou.O jogador revelado pelo Bahia - onde atuou em seu primeiro ano e meio como profissional - disse ter tido dificuldades em se adaptar ao futebol europeu logo que chegou ao Sevilla, da Espanha."Quando não era relacionado ficava me perguntando: 'O que estou fazendo aqui?'", lembrou.Hoje, no Barcelona, a ansiedade deu lugar à ambição. "Estou muito impressionado com a sensação transmitida pelo grupo e a vontade de voltar a ganhar títulos. Se continuarmos assim, esta equipe pode ser 'imparável', espetacular".O lateral ainda elogiou o técnico Josep Guardiola. "Ele é a equipe. Tudo vem dele. Foi jogador, vive o futebol, fala muito, raciocina e dá conselhos importantes. Conhece o jogo e isso é uma vantagem".Além do título da Liga dos Campeões pelo Barcelona, o jogador também tem outro objetivo para seguir os passos de seu ídolo Cafu: se firmar na seleção brasileira."Se eu não tivesse chegado à seleção, não me consideraria um jogador de futebol. Em 2007, o Brasil ganhou a Copa América e fiz um gol na final, o que está acima de qualquer outra coisa", encerrou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.