Ricardo Saibun/Divulgação
Ricardo Saibun/Divulgação

Lateral do Santos cobra autoridades após torcedor morrer em emboscada

'Essa violência tem que parar. Alguém tem que tomar atitude para que não volte a acontecer', defende Cicinho

Sanches Filho, Agência Estado

25 de fevereiro de 2014 | 13h20

SANTOS - O lateral-direito Cicinho, do Santos, lamentou nesta terça-feira a morte do torcedor Márcio Barreto de Toledo, de 34 anos, que foi enterrado na última manhã, no cemitério de Itaquera, na zona leste de São Paulo, após ter sido vítima de uma emboscada de torcedores do São Paulo poucas horas após o clássico do último domingo, no Morumbi.

Ao comentar a morte do torcedor santista, o jogador cobrou, em entrevista coletiva no CT Rei Pelé, ação das autoridades para o combate a atos violentos e criminosos como o ocorrido após o jogo em que o Santos empatou por 0 a 0 com a equipe são-paulina, pela décima rodada do Campeonato Paulista.

"Essa violência tem que parar. Alguém tem que tomar atitude para que não volte a acontecer", afirmou Cicinho, para depois lembrar que não basta apenas pensar em estratégias para coibir os marginais infiltrados nas torcidas organizadas dos grandes clubes, mas sim agir contra eles. "Muita gente fala, dá sugestões, mas acredito que cabe às autoridades inibir esses torcedores com punições", completou.

O lateral ainda disse acreditar que ações mais efetivas das autoridades poderiam reduzir a violência por parte das organizadas. "A gente sabe que algumas são violentas, mas acredito que, se tomarem a atitude certa, eles (torcedores) vão agir com mais dignidade e sem violência. Para isso ocorrer, as autoridades têm de punir quem vai para estádio fazer vandalismo", ressaltou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSantos FCCicinhoviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.