Felipe Rau/ Estadão Conteúdo
Felipe Rau/ Estadão Conteúdo

Lateral do Santos nega pênalti, mas muda de opinião: 'acertei o Love'

Marcação de penalidade revoltou jogadores da equipe santista

O ESTADO DE S. PAULO

20 de setembro de 2015 | 13h34

Os jogadores e comissão técnica do Santos saíram revoltados com a arbitragem na derrota para o Corinthians por 2 a 0, na manhã deste domingo na Arena Corinthians, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro. No lance do primeiro gol, o árbitro marcou pênalti em cima de Vagner Love e expulsou o zagueiro David Braz, que não estava no lance. "Eu não fiz nada", reclamava o defensor na saída de campo.

O lateral Zeca, que estava no lance, primeiramente, na saída do gramado, afirmou que não encostou no atacante do Corinthians. "Não fiz o pênalti. O Vagner Love estava na bola. Eu acertei a bola, o Vagner Love se jogou. O assistente viu e deu". Sobre o fato de não ter sido expulso e sim seu companheiro de equipe, Zeca responsabilizou o árbitro. "O juiz que dita o jogo, ele sabe o que faz".

Num segundo momento, na zona mista do vestiário, mudou sua opinião. "Realmente foi pênalti na jogada. Só que para ele dar pênalti tem que saber quem cometeu. Eu falei para o árbitro que estava na jogada, ele tinha que chegar em mim e me expulsar", afirmou Zeca.

Também no vestiário, David Braz contou mais o que teria acontecido. "Eu falei para o juiz que estava fora da área, longe do lance, mas ele me deu o vermelho. Ele falou que eu estava no lance".[

Para o atacante Ricardo Oliveira, artilheiro da competição com 17 gols, disse que o juiz errou no lance. "Eu estava distante, mas deu para ver com segurança que o árbitro mandou seguir o lance e depois da marcação do bandeira voltou atrás. Poderíamos ter terminado com outro resultado. Eu acho que o pênalti foi determinante, mostra que a arbitragem não estava vendo o lance".


Tudo o que sabemos sobre:
BrasileirãoCorinthiansSantos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.