Laudo nega morte de Cristiano por parada

Um novo exame de necropsia realizado pelo IML de Brasília apontou que o jogador Cristiano de Lima Júnior morreu em conseqüência de hemorragia provocada por um traumatismo na medula e não de parada cardíaca, como haviam sustentado os médicos indianos responsáveis pelo primeiro laudo. O brasileiro defendia o Dempo Sports Club, da Índia, quando foi atingido pelo goleiro Subrata Pal, do Mohun Bagan, na final de um torneio local, no dia 5 de dezembro, e morreu logo em seguida.Em depoimento prestado aos médicos brasileiros, um amigo do jogador revelou que uma semana antes de sua morte, Cristiano havia levado uma pancada, também num jogo, e chegou a desmaiar em campo.O médico Malthus Galvão, um dos que assinam o segundo laudo, divulgado nesta terça-feira, disse que a hipótese mais provável para a morte do atleta é o fato de ele ter sofrido um segundo traumatismo na mesma região, sem ter se tratado direito do primeiro acidente. "É possível que o trauma prévio tenha criado uma situação que desencadeou a hemorragia na medula", afirmou Malthus Galvão.A família de Cristiano já avisou que pretende processar o clube em que o brasileiro atuava e o goleiro que o atingiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.