Reprodução/ Premiere
Reprodução/ Premiere

Laudo pericial de possível racismo de Rafael Ramos a Edenilson é 'inconclusivo'

Documento avaliado pelo Instituto-Geral de Perícias de Porto Alegre tem 40 páginas e, apesar de 41 frames terem sido avaliados, conclusão é que não dá para garantir que houve ato racista; jogador do Internacional protestou nas redes sociais

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2022 | 16h58

As acusações de Edenilson de que teria sido chamado de 'macaco' pelo lateral-direito corintiano Rafael Ramos, em jogo no Beira-Rio, contra o Internacional, dia 14 de maio, pelo Brasileirão, devem ser arquivadas pela falta de provas. Nesta quarta-feira, o Instituto-Geral de Perícias de Porto Alegre remeteu para a 2ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre o Laudo Pericial sobre o pedido de perícia de leitura labial com resultado "inconclusivo."

O documento avaliado pelo IGP tem 40 páginas e, apesar de 41 frames terem sido avaliados, a conclusão é que não dá para garantir que houve ato racista. A conclusão do laudo diz: "Não sendo possível identificar os movimentos realizados na porção interna da cavidade oral do jogador de camiseta branca, é tecnicamente inviável localizar todos os vestígios que definem a sequência de consoantes e vogais emitidas"

O lateral português sempre negou ter chamado Edenilson de "macaco". Por conta própria, ele também contratou uma perícia, que concluiu que a frase falada para o meia do time gaúcho seria "f... mano, car..." ao invés de "f..., macaco", como o camisa 8 do Inter acusou.

"A maior parte dos gestos que compõem a fala ocorrem justamente no ambiente intraoral ou em outras porções internas, como a faringe e a laringe. Nem em vídeos com excelente qualidade de imagem é possível obter as informações do que se passa na parte não visível do aparelho fonador", informou o IGP.

Aguardando por uma decisão da Justiça, o Corinthians deixou de utilizar Rafael Ramos em alguns jogos no Brasileirão, mas mostrou-se solidário e confiante nas palavras de seu atleta. "Por essas razões, é impróprio que a perícia criminal oficial do Estado afirme, com responsabilidade do ponto de vista processual e científico, o que foi proferido pelo jogador na cena questionada."

Edenilson usou seu Instagram para reclamar da conclusão do IGP. "Não iriam nos calar???? Já nos calaram. Se ofendidos aceitem, engulam a seco. Finjam que não escutaram, é uma luta desleal, é uma luta INCONCLUSIVA!!!!!", postou o jogador do Inter, com uma imagem sua e um "X" na boca. Além disso, o atleta mudou seu nome na biografia da rede social para "Macaco Edenilson Andrade dos Santos" e apagou todos as publicações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.