Lavolpe tenta ampliar jejum de seu país em Copas do Mundo

Um campeão do mundo de 1978 fará de tudo neste sábado, em Leipzig, para aumentar de 20 para 24 anos o jejum argentino em Copas do Mundo. É Ricardo Lavolpe, de 54 anos, técnico do México e terceiro goleiro na primeira caminhada argentina rumo à glória, comandada por Fillol e Kempes.Lavolpe vive há 25 anos no México. Chegou como jogador do Atlante e começou sua carreira como treinador em 1983, dirigindo o Oaxtepec. Imprimiu um estilo sempre ofensivo a seus times, mas conseguiu apenas um título mexicano, com o Atlante, em 1992.Assumiu a seleção em 2002 e desde então sofre críticas intermitentes de Hugo Sánchez, o maior jogador da história do futebol mexicano, que fez sucesso no Real Madrid e hoje trabalha como treinador. Lavolpe levou o México a uma boa posição no ranking da Fifa - a seleção chegou ao Mundial como cabeça-de-chave - mas não conseguiu títulos, o que aumenta as críticas que recebe.Um dos motivos para ser tão criticado é a convocação do atacante Guillermo Franco, de 29 anos, um argentino naturalizado. Também era contestado por ter pedido a naturalização do brasileiro Zinha, mas isso diminuiu depois da partida contra o Irã, quando o brasileiro fez um gol e deu um passe decisivo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.