Adrian Dennis / AFP
Adrian Dennis / AFP

Laxalt pede que Uruguai jogue em bloco e não dê espaços para Mbappé

Meiocampista pede que time demonstre a tradicional raça uruguaia nas quartas de final da Copa do Mundo

Estadão Conteúdo

03 Julho 2018 | 08h46

O meio-campista Diego Laxalt receitou jogo coletivo ao Uruguai para conter o ataque da França na partida desta sexta-feira, às 11 horas (de Brasília), em Nijni Novgorod. Para o confronto de quartas de final da Copa do Mundo, o uruguaio, que tem atuado na lateral esquerda, disse que sua equipe precisa vigiar Kylian Mbappé de perto.

+ Lesionado, Cavani faz fisioterapia e volta a desfalcar treino do Uruguai

+ Cavani mostra confiança em sequência do Uruguai na Copa: 'Continuar sonhando'

"Temos de ter a mesma solidez defensiva que tivemos contra Portugal e seguir as orientações do nosso treinador. A Mbappé, não podemos dar espaços para ele aproveitar a velocidade que tem. Vai ser complicado para ele se nos postarmos em bloco", afirmou Laxalt em coletiva de imprensa concedida nesta terça-feira, em Nijni Novgorod.

Além da organização, o meio-campista pediu que a tradicional raça uruguaia entre em campo. "Sabemos que eles têm um potencial ofensivo grande. Vamos ter de trabalhar muito na defesa, mostrar espírito e nos sacrificar. É disso que precisamos", analisou Laxalt, que tentou explicar as razões para o Uruguai ter sofrido só um gol em quatro jogos no Mundial.

"Creio que é questão da técnica de cada um, de estarmos juntos e como atuamos. Claro que um ou outro tem um pouco mais de qualidade defensiva, isso ajuda muito. Tentamos jogar de forma compacta para evitar cartões amarelos e fazer faltas desnecessárias. Sempre tentamos fazer nossos rivais jogarem pouco, isso gera incômodo neles. É uma arma nossa. As outras seleções nos respeitam", afirmou o meio-campista, que disputa o primeira Copa dele.

 

Titular do Uruguai nas últimas duas partidas da seleção, Laxalt comemorou a vaga na equipe. "Ganhei meu lugar, estou contente. Eu e os demais estreantes em um Mundial tivemos vontade para entender como era o torneio. A experiência do grupo nos transmitiu segurança e nos ajudou muito", opinou o atleta de 25 anos.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.