Lazio e Genoa são investigados na Itália por manipulação

A Federação Italiana de Futebol (FIGC) investiga mais um escândalo de manipulação de resultados no futebol local. Nesta quarta-feira, a entidade anunciou que está analisando o suposto envolvimento de clubes como o Genoa e a Lazio neste esquema. O Lecce, recém-promovido à primeira divisão, e oito jogadores também estão sob a mira da investigação.

AE, Agência Estado

10 de julho de 2013 | 10h12

A FIGC revelou que as partidas sob suspeita teriam acontecido no fim do Campeonato Italiano da temporada 2010/2011. A primeira, válida pela penúltima rodada, é a vitória da Lazio por 4 a 2 sobre o Genoa, em casa. A segunda, no encerramento da competição, é outro triunfo do time romano pelo mesmo placar, desta vez diante do Lecce.

Segundo a entidade, investigadores reportaram "fraude esportiva" nestas partidas, e um julgamento no próximo dia 24 definirá como será encaminhado o caso. Os três clubes estão sendo acusados por terem "responsabilidade objetiva" na suposta manipulação e, se considerados culpados, devem ser punidos com perda de pontos no Campeonato Italiano da próxima temporada.

De acordo com o promotor da cidade de Cremona, Roberto Di Martino, ha uma "absoluta abundância" de evidências em relação à partida entre Lecce e Lazio. Ele declarou que apostadores teriam faturado até 2 milhões de euros com o confronto e desembolsado 600 mil euros para subornar os jogadores.

Entre os atletas envolvidos, o mais famoso é o experiente Stefano Mauri, de 33 anos, capitão da Lazio nas últimas temporadas. Além dele, Mario Cassano e Alessandro Zamperini, que enfrentam cinco anos de suspensão por envolvimento em outro escândalo, estão sendo acusados. Os outros nomes são: Carlo Gervasoni, Omar Milanetto, Massimiliano Benassi, Stefano Ferrario e Antonio Rosati.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolItáliaescândaloLazioGenoa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.