LDU vence e se classifica à final do Mundial de Clubes da Fifa

Equatorianos venceram o Pachuca por 2 a 0 e agora aguardam vencedor de Gamba Osaka e Manchester United

André Avelar - estadao.com.br,

17 de dezembro de 2008 | 10h28

Campeã da Copa Libertadores, a LDU garantiu na manhã desta quarta-feira a vaga para a final do Mundial de Clubes da Fifa. O time do Equador não deu chances ao Pachuca, do México, e precisou de apenas 26 minutos de partida para vencer por 2 a 0. Bieler e Bolaños fizeram os gols que classificaram o time à decisão do torneio.   Veja também: Mundial de Clubes 2008 - Tabela Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão   Agora, os equatorianos enfrentam domingo, 21, o vencedor de Gamba Osaka (Japão) e Manchester United (Inglaterra). Os anfitriões recebem os vencedores da Liga dos Campeões pela segunda semifinal nesta quinta-feira, às 8h30, com acompanhamento do estadão.com.br   Campões da Concacaf, ao eliminar o Chivas na decisão, os mexicanos chegaram às semifinais como favoritos. Queriam desbancar os equatorianos e assim, serem os primeiros de fora da América do Sul ou da Europa a chegarem à uma final do Mundial de Clubes. Para isso, apostavam na habilidade dos seus principais jogadores: o trio argentino formado por Alvarez, Marioni e Gimenez.   Mas logo aos três minutos tomaram um banho de água fria, no já gelado Estádio Olímpico de Tóquio - os termômetros marcavam 9ºC e uma insistente chuva fina caiu durante todo jogo. E foi em uma saída de bola errada do Pachuca, que a LDU partiu para cima da defesa, que estava desarrumada. Em uma rápida troca de passes, Bieler precisou chutar duas vezes e ainda contar com uma trapalhada de toda a defesa para só empurrar para as redes.   Franck Robichon/EFEAtacante Bieler olha para o bandeira, depois de chutar para o primeiro gol da LDU, aos 3 minutos de jogo  A partir daí, o jogo ficou mais fácil para os equatorianos. O campeão da Copa Libertadores demonstrou maturidade e soube tocar a bola de lado, enquanto os mexicanos queriam a correria. A LDU fechou sua defesa, adiantou a marcação quando preciso e só saiu para o contra-ataque.   E em um desses contra-ataques, o lance polêmico da partida. O meia Manso, jogador mais perigoso da LDU, arrancou e na entrada da área tentou o toque. O ex-santista Manzur apareceu e acabou tocando a mão na bola. O árbitro espanhol Alberto Undiano marcou falta. Na cobrança, Bolaños acertou lindo chute, no ângulo do goleiro, ampliando o marcador aos 26 minutos de jogo.   O Pachuca acordou mesmo já no fim do primeiro tempo. Os jogadores pareciam se lembrar da virada para cima do Al Ahly (venceu por 4 a 2 na prorrogação, depois de estar perdendo por 2 a 0 no tempo normal) e acreditavam em toda bola. Tiveram bons momentos com o trio argentino, mas esbarravam na boa atuação do experiente, apesar de atrapalhado, goleiro Cevallos.   No segundo tempo, os mexicanos continuaram com maior posse de bola (67% do tempo), e a todo momento chutavam de fora da área. Apesar do empenho, não conseguiam acertar o alvo e partiram para o pontapé, deixando feio o jogo que estava apenas bem disputado. Ao todo, foram oito cartões amarelos.   Mas a vontade dos mexicanos não foi suficiente para reverter o placar construído pela LDU ainda no primeiro tempo. Os equatorianos conquistaram a classificação e agora, esperam o confronto da outra semifinal para conhecer o adversário da decisão.   Depois do apito final, uma discreta comemoração dos equatorianos no centro do gramado japonês. E a promessa de que vão lutar pelo título, como avisou o jogador Bolaños, autor do segundo gol. "Sempre confiamos no nosso time, sabemos que podíamos e vamos forte para essa grande final", disse o jogador, sem citar o provável adversário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.