Leandro ansioso para estréia na Lusa

Depois de um mês e meio de espera, o atacante Leandro Amaral não vê a hora de estrear na Portuguesa, clube que o lançou no futebol e para o qual ele retorna a fim de refazer sua carreira. Será na sexta-feira, no Canindé, contra o CRB.Com 27 anos, o atacante teve passagens inexpressivas por Corinthians, São Paulo e Palmeiras, antes de se aventurar do outro lado do Atlântico. Foi para a França com a certeza de que teria vida fácil.Não teve. O Istres, clube com o qual assinou contrato, localizado nas cercanias de Marselha, não cumpriu o combinado."Fiquei três meses sem receber salário porque, depois que cheguei, eles queriam pagar um valor menor do que foi assinado", acusa o jogador, ainda revoltado com a dupla de empresários, Marcelo Vendirelli e Cristoph Mayor, que o colocou em tamanha fria.O jeito foi abandonar tudo e voltar para o Brasil pela porta dos fundos, amargando novo insucesso. "Esses empresários não têm caráter. Deixei minha mulher em São Paulo, grávida de trigêmeos, e eles me enganaram. Não descarto sequer que eles tenham recebido em meu nome, sem autorização, meu dinheiro do Istres", acusa novamente o atleta.O fato é que Leandro Amaral nunca se acertou com o clube francês que, para castigá-lo por ter abandonado tudo e voltado para o Brasil, negou sua liberação. No último dia 30, o prazo do contrato terminou e o atacante ganhou sua alforria. Na sexta-feira, ele finalmente poderá jogar. "Estou treinando há quase dois meses, pronto, portanto, para jogar. Tenho certeza que o técnico Giba vai me escalar desde o início", acredita do atacante. O Canindé é sua casa. Leandro já marcou 103 gols nesse estádio. É o recordista da Portuguesa lá.Leandro lamenta as fases ruins nos clubes de São Paulo. Diz que não teve as chances necessárias. Espera recomeçar onde surgiu. "Meu grande sonho é retomar a carreira e ajudar a Portuguesa a voltar para a Primeira Divisão do Brasileiro". Seu contrato com o clube do Canindé vai até dezembro. Está feliz. Mas ainda não arquivou o projeto de jogar na Europa. Está apenas adiado - pelo menos até que os trigêmeos (dois meninos e uma menina) cresçam um pouco mais. Nesta terça, eles completam três meses. Dois ficam por conta da babá, sobretudo à noite. E um fica aos cuidados do jogador e da mulher.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.